Juiz suspende inquérito do bilhete de Marcelo Odebrecht

Juiz suspende inquérito do bilhete de Marcelo Odebrecht

Juiz da Lava Jato considera manuscrito de empreiteiro 'estranho' ao inquérito que investiga corrupção e cartel na Petrobrás; anotação do empresário 'destruir e-mail sondas' será alvo de apuração própria

Redação

17 de julho de 2015 | 13h39

Marcelo Odebrecht, à esquerda, e Sérgio Moro. Fotos: Reuters e Agência Brasil

Marcelo Odebrecht, à esquerda, e Sérgio Moro. Fotos: Reuters e Agência Brasil

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Julia Affonso e Fausto Macedo

O juiz federal Sérgio Moro, que conduz as ações penais da Operação Lava Jato, determinou nesta sexta-feira, 17, a suspensão do inquérito que investiga o bilhete apreendido com o presidente da Odebrecht, Marcelo Bahia Odebrecht, preso desde 19 de junho. O manuscrito foi copiado por um agente da Custódia da Polícia Federal na manhã de 22 de junho.

Os investigadores suspeitam que o empresário teria tentado orientar seus advogados a ocultar provas, ao escrever ‘destruir e-mail sondas’. Os advogados da Odebrecht afirmam que se tratava apenas de uma orientação para ‘rebater’ o conteúdo do e-mail.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O magistrado decidiu que questões relativas ao bilhete deverão tramitar em processo próprio. “Por ora, em vista das questões colocados e por cautela, determino à autoridade policial responsável pelo IPL 1593/2015 (evento 375) que suspenda a tramitação do referido inquérito, até decisão deste Juízo a respeito das questões suscitadas”, afirmou Moro. “Comunique-se à autoridade policial do evento 375 acerca da determinação de suspensão e ainda que novas questões relacionadas o bilhete deverão, se for o caso, levado a este Juízo nos autos próprios.”

Marcelo Odebrecht foi ouvido no inquérito que investiga o bilhete na manhã de hoje. Segundo a OAB/PR, o original do bilhete apreendido transmitido pelo empreiteiro a seus advogados estaria sob sua custódia. Para a entidade, a apreensão violaria o sigilo profissional.

“A questão relativa à apreensão do referido bilhete é estranha ao objeto destes autos específicos. Assim, distribua a Secretaria a referida petição, com cópia deste despacho, por dependência a estes autos. Comunique-se a OAB/PR, informando o número do novo processo distribuído”, decidiu Moro. “Relativamente à autoridade policial responsável pela condução do presente feito, comunique-se que, até que este Juízo delibere sobre as questões pendentes, deverá abster-se de qualquer referência ao bilhete no relatório e conclusão do inquérito relativo aos supostos crimes de cartel, ajuste de licitação, corrupção e lavagem da Odebrecht.”

Tudo o que sabemos sobre:

Odebrechtoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.