Moro retoma Lava Jato e ouve acusação contra Palocci

Moro retoma Lava Jato e ouve acusação contra Palocci

Veja os vídeos de delatores da UTC e do banco da propina da Odebrecht ouvidos nesta quarta, 1, pelo juiz da 13ª Vara Federal em Curitiba, em ação penal em que ex-ministro e ex-coordenador da campanha de Dilma são réus

Fausto Macedo, Ricardo Brandt e Mateus Coutinho

01 de fevereiro de 2017 | 16h08

montagemmoropalocci

O juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal, em Curitiba, retomou nesta quarta-feira, 1, a condução dos processos da Operação Lava Jato. Depois das férias, o magistrado ouve testemunhas de acusação na ação penal em que o ex-ministro Antonio Palocci é réu, acusado de corrupção e lavagem de dinheiro no escândalo Petrobrás.

No ano em que a Lava Jato vai tomar novas proporções, com a homologação da mega delação premiada da Odebrecht – que reúne 77 executivos e ex-executivos -, Moro abre os trabalhos com os depoimentos de cinco delatores.

Duas das testemunhas ouvidas hoje são da empreiteira UTC: o dono Ricardo Pessoa e o executivo Walmir Pinheiro. Serão ouvidos ainda os operadores financeiros do banco da propina da Odebrecht, Vinicius Veiga Borin, Marco Pereira de Souza Bilinski e Luiz Augusto França.

As testemunhas foram chamadas pelo Ministério Público Federal para a acusação contra Palocci, identificado nas planilhas da propina da Odebrecht como “Italiano”.

Documentos encontrados pela Lava Jato nas buscas feitas no Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht – chamado de “departamento da propina” por investigadores – indicam que uma conta associada à “Italiano” chegou a ter R$ 128 milhões. Os valores, seriam repasses ao PT e seus candidatos.

PLANILHA ITALIANO 128 MI

No processo retomado hoje por Moro, são réus ainda o presidente afastado da Odebrecht, Marcelo Bahia Odebrecht, que fez delação premiada e aguarda homologação do acordo pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Nos depoimentos que deu a procuradores da Lava Jato, o empreiteiro detalhou os repasses de valores legais e ilícitos para o PT e campanhas dos candidatos do partido, em especial dos ex-presidentes Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva.

Palocci é réu ainda em outra ação penal aberta pelo juiz federal Sérgio Moro, em que o alvo principal da acusação é Lula. O ex-ministro teria participado do acerto de repasses para o ex-presidente na compra de um terreno para o Instituto Lula e de um apartamento usado pelo petista em São Bernardo do Campo.

ITALIANO IL 12 MI

No processo que abriu o ano da Lava Jato, em Curitiba, como Moro, são réus, ainda, o marqueteiro do PT João Santana, sua mulher e sócia, Mônica Moura, e o ex-diretor de Serviços da Petrobrás, Renato Duque – os três têm estão negociando um acordo de delação premiada com a Lava Jato.

Apesar de ter voltado nesta quarta-feira, 1, ao trabalho, os processos da Lava Jato em Curitiba não ficaram totalmente parados. A juíza substituta Gabriela Hardt respondeu pelo caso durante as férias de Moro.o.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.