Moro reage e nega ‘espionagem’ contra defesa de Lula

Moro reage e nega ‘espionagem’ contra defesa de Lula

Em nota pública, juiz da Lava Jato revela indignação ante a acusação do advogado do ex-presidente e o desafia a esclarecer o motivo de ter afirmado que não teve acesso às delações de Emílio Odebrecht e Alexandrino Alencar

Ricardo Brandt e Luiz Vassallo

06 de junho de 2017 | 21h13

Sérgio Moro durante palestra em Curitiba nesta segunda-feira, 8. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

O juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, reagiu com indignação nesta terça-feira, 6, à acusação lançada pelo defensor do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin Martins, de que ele promove ‘uma clara tentativa de intimidar os advogados mediante interceptação de dados de navegação de um escritório de advocacia’.

“Esclareça-se, apenas diante dos termos da nota emitida pelo defensor do sr. Luiz Inácio Lula da Silva, que não houve qualquer ‘espionagem’ a escritório de advocacia, mas mera verificação dos acessos ao processo eletrônico da Justiça Federal”, assinalou Moro.

O embate foi originado em um habeas corpus ao Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4) por meio do qual a defesa de Lula alegou que Moro juntou aos autos de um processo contra o ex-presidente por corrupção passiva e lavagem de dinheiro os depoimentos em delação premiada do empresário Emílio Odebrecht e do executivo da empreiteira Alexandrino Alencar poucas horas antes da audiência em que os dois foram ouvidos na condição de testemunhas da acusação, na segunda-feira, 5.

+ ‘A defesa tá querendo humilhar a testemunha?’, diz Moro a advogado de Lula

Com base nas informações de Zanin Martins, o desembargador Gebran Neto, relator da Lava Jato no TRF4, determinou nova audiência para que Emílio Odebrecht e Alexandrino sejam ouvidos outra vez.

Nesta terça, 6, Moro informou o desembargador que, ao contrário do que alegou, a defesa de Lula acessou sim os depoimentos dos delatores da Odebrecht ‘diversas vezes’ nos dias 31 de maio e 1.º de junho.

Moro lançou um desafio. “Cabe somente ao advogado esclarecer ao Tribunal Regional Federal da 4.ª Região o motivo de ter afirmado que não teria tido acesso aos depoimentos das testemunhas antes do dia 5 de junho, quando o sistema eletrônico registra acesso dele em 31 de maio e 1.º de junho.”

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoLulaSérgio Moro

Tendências: