Moro põe Bendine em prisão preventiva

Moro põe Bendine em prisão preventiva

Juiz da Lava Jato acolhe pedido do Ministério Público Federal e converte custódia temporária do ex-presidente da Petrobrás em regime por tempo indeterminado

Julia Affonso, Ricardo Brandt, Fausto Macedo e Luiz Vassallo

31 de julho de 2017 | 19h14

Aldemir Bendine. Foto: FABIO MOTTA/ESTADÃO

O juiz federal Sérgio Moro colocou nesta segunda-feira, 31, o ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobrás Aldemir Bendine em prisão preventiva. O magistrado acolheu o pedido do Ministério Público Federal e converteu a custódia temporária de Bendine em regime por tempo indeterminado.

A decisão de Moro alcança ainda os irmãos André Gustavo e Antonio Carlos Vieira da Silva, supostos operadores financeiros de Bendine. A prisão temporária do ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobrás se encerraria nesta terça-feira, 01.

“Defiro o requerido pelo Ministério Público Federal, para, presentes os pressupostos da prisão preventiva, boa prova de materialidade e de autoria, e igualmente os fundamentos, risco à ordem pública, à instrução e à aplicação da lei penal, decretar, com base nos arts. 311 e 312 do CPP, a prisão preventiva de Aldemir Bendine, André Gustavo Vieira da Silva e Antônio Carlos Vieira da Silva Júnior”, ordenou Moro.

Bendine foi preso na quinta-feira, 27, na Operação Cobra, 42ª fase da Lava Jato. O ex-presidente da Petrobrás é suspeito de ter recebido R$ 3 milhões em propina da Odebrecht.

+ O vinho de Bendine na mira da PF

Moro quebra sigilo de bendine@petrobras.com.br

Segundo os procuradores, foram encontrados elementos que reforçam as suspeitas contra Bendine e os dois publicitários ligados a ele.

“Na busca e apreensão efetuada na residência de Aldemir Bendine, em São Paulo/SP, foram encontradas anotações que corroboram o depoimento dos colaboradores e revelam que, de fato, Aldemir Bendine informava-se ativamente sobre o arrolamento da dívida da Odebrecht Agroindustrial que baseou seu pedido inicial de propina a Fernando Reis (executivo da Odebrecht), por meio de André Gustavo”, informa o Ministério Público Federal.

Bendine e operador destruíam mensagens a cada 4 minutos, diz Lava Jato

Ex-presidente da Petrobrás recolheu IR da propina

Bendine pegou propina 30 dias antes de evento com Janot para devolução de R$ 139 mi da corrupção à Petrobrás

Em seu depoimento à Polícia Federal nesta segunda-feira, 31, Bendine negou que tenha recebido propina de R$ 3 milhões da Odebrecht. Ele afirmou que não recebeu valores ilícitos de qualquer empresa Bendine disse, ainda, que tinha boa relação com o publicitário André Gustavo Vieira da Silva, mas negou ter ‘relações profissionais com ele’.

Ao mandar prender Bendine preventivamente, Moro afirmou. “Presente, pelas circunstâncias do crime, risco à ordem pública, sendo necessária a prisão preventiva para interromper um ciclo delitivo de dedicação à prática de crimes contra a Administração Pública, especialmente o recebimento e a intermediação de vantagem indevida, e de crimes de lavagem de dinheiro.”

COM A PALAVRA, O ADVOGADO ADEMAR RIGUEIRA, QUE DEFENDE ANDRÉ GUSTAVO E ANTÔNIO CARLOS VIEIRA DA SILVA

A prisão preventiva nos parece precipitada. Apesar dos argumentos trazidos com os pedidos de revogação, a decisão é silente quanto aos argumentos da defesa. A decisão reitera argumentos superados com as novas investigações, levando-nos a crer que foi proferida antes mesmo do protocolo das petições e da conclusão dos interrogatórios , o que é lastimável em se tratando de ampla defesa.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoAldemir Bendine