Moro manda PF transferir operador de propinas de Sérgio Cabral para o Rio

Moro manda PF transferir operador de propinas de Sérgio Cabral para o Rio

Wilson Carlos, que foi secretário do ex-governador, responde a processos perante a 7.ª Vara Federal da capital fluminense; no Paraná, o juiz Sérgio Moro o condenou por corrupção em obras do Comperj

Julia Affonso e Luiz Vassallo

14 de julho de 2017 | 16h51

Wilson Carlos. Foto: Reprodução

O juiz federal Sérgio Moro mandou a Polícia Federal transferir o ex-secretário Wilson Carlos (Governo Sérgio Cabral) para a Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, no Rio. Wilson Carlos, aliado do ex-governador, estava preso no Complexo Médico Penal, em Pinhais, região metropolitana de Curitiba, desde novembro de 2016.

Documento

Nesta quinta-feira, 13, Sérgio Moro enviou o ofício número 700003591464 ao superintendente regional da PF, no Paraná, Rosalvo Ferreira,

“Senhor Superintendente, para instrução dos autos que tramitam perante à 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro/RJ, solicito a transferência do preso provisório Wilson Carlos Cordeiro da Silva Carvalho, CPF nº 787.460.007-04, atualmente custodiado no Complexo Médico Penal em Pinhais/PR, para a Cadeia Pública José Frederico Marques, situada na Rua Célio Nascimento, s/nº, Benfica, Rio de Janeiro/RJ. Deverá este Juízo ser prontamente informado da realização da transferência”, requereu Moro.

VÍDEO: + Braço direito de Sérgio Cabral diz a Moro que guardava dinheiro em casa ‘por uma questão pessoal’

Mulher de operador de Cabral diz que marido levou R$ 10 mil ‘no bolso’ para comprar mesa

Operador de Sérgio Cabral ganhou poltrona de R$ 17,3 mil de ‘amigo de fora do Rio’

A transferência de Wilson Carlos atende a pedido da 7.ª Vara Federal Criminal do Rio.

Ele responde a processos por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro perante a 7.ª Vara Federal Criminal do Rio.

Sérgio Cabral diz a Moro que ‘fez tudo para alavancar economia do Rio’

+ Ex-governador do Rio nega propina e diz que comprou luxo com sobra de campanha

Em uma das ações, Wilson é acusado de ter acertado ‘mesada de propina’ com diretores da Carioca Engenharia, em um restaurante do Centro do Rio. Pelo acordo, os valores pagos ao então governador, entre março de 2008 e abril de 2014, chegaram a R$ 200 mil por mês.

O ex-secretário e Sérgio Cabral foram condenados pelo juiz da Lava Jato em ação penal sobre propinas de R$ 2,7 milhões em obras do Comperj. O aliado do ex-governador pegou 10 anos e 8 meses de cadeia.

Sérgio Cabral está preso no Rio. O peemedebista já foi condenado por Moro em uma ação penal – 14 anos e 2 meses por corrupção e lavagem de dinheiro – e é réu em mais 11 processos.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoSérgio Cabral

Tendências: