Moro intima Odebrecht e mais seis delatores a pedido de Palocci

Moro intima Odebrecht e mais seis delatores a pedido de Palocci

Juiz da Lava Jato acolhe pedido da defesa do ex-ministro da Fazenda e marca para o dia 5 de maio novos depoimentos de executivos da empteiteira

Fausto Macedo, Julia Affonso, Ricardo Brandt e Luiz Vassallo

24 de abril de 2017 | 17h37

Marcelo Odebrecht e Antonio Palocci estão presos na Lava Jato. Fotos: Reprodução

Marcelo Odebrecht e Antonio Palocci estão presos na Lava Jato. Fotos: Reprodução

O juiz federal Sérgio Moro intimou o empreiteiro Marcelo Odebrecht e mais seis delatores da Operação Lava Jato para prestarem novos depoimentos dia 5 de maio. A medida foi tomada a pedido da defesa do ex-ministro Antonio Palocci (Governos Lula e Dilma/Fazenda e Casa Civil) e de seu ex-assessor Branislav Kontic – o ex-ministro está preso desde setembro de 2016.

Documento

Documento

“Desde logo, em vista do requerido, designo novo interrogatório dos referidos acusados para 55 de maio de 2017, às 14:00, perante este Juízo. Permanecem válidos os depoimentos anteriores e os novos interrogatórios versarão apenas sobre eventuais perguntas adicionais, em vista do teor dos acordos de colaboração e dos depoimentos prestados no acordo, da Defesa de Antônio Palocci Filho”, determinou Moro.

Além de Odebrecht, serão ouvidos os executivos Fernando Migliaccio da Silva, Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho, Luiz Eduardo da Rocha Soares, Marcelo Rodrigues, Olívio Rodrigues Júnior e Rogério Santos da Araújo – todos delatores da Lava Jato. Marcelo Odebrecht é o único executivo da empreiteira que está preso. Ele foi capturado no dia 19 de junho de 2015 na Operação Erga Omnes, desdobramento da Lava Jato.

A defesa de Palocci – subscrita pelos criminalistas José Roberto Batochio, Guilherme Octávio Batochio e Leonardo Vinícius Battochio -, alega eu seu pedido ‘princípios constitucionais do contraditório e da defesa ampla’.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

Odebrechtoperação Lava Jato

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.