Moro e Cármen falam de Lava Jato e corrupção na Universidade Columbia

Moro e Cármen falam de Lava Jato e corrupção na Universidade Columbia

Nos dias 6 e 7, juiz federal e presidente do Supremo Tribunal Federal participam de debate em Nova York sobre emblemática operação de combate à corrupção

Redação

04 de fevereiro de 2017 | 10h55

FOTOS: FABIO MOTTA E ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO

Sérgio Moro e Cármen Lúcia. FOTOS: FABIO MOTTA E ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO

Nos dias 6 e 7 de fevereiro a Universidade Columbia e a New School for Social Research, em Nova York, vão receber o juiz federal Sérgio Moro e a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, para um debate sobre corrupção e seus impactos no Brasil, com foco na Operação Lava Jato. O evento será realizado das 12h30 às 15h15, no dia 6, e das 17h às 20h, no dia 7, horário de Brasília.

O evento será transmitido ao vivo na página do Columbia Global Centers Rio de Janeiro (globalcenters.columbia.edu/content/institution-building-governance-and-compliance-brazil-politics-policy-and-business).

“Hoje o mundo todo tem acesso à informação muito rápido. Um assunto como este, a corrupção, é algo que interessa a todos, independentemente de acontecer ou não em seu país. A Universidade Columbia acha importante levantar este debate”, afirma Thomas Trebat, diretor do Global Center do Rio de Janeiro.

No primeiro dia, o evento receberá, além de Moro, Alberto Ramos (Goldman Sachs), Lisa Schineller (Standard and Poor’s), Otaviano Canuto (World Bank), Luiz Pinto (Qatar University), Albert Fishlow e Marcos Troyjo, de Columbia.

No segundo dia, a presidente do STF, Cármen Lúcia, fechará o evento, às 19h30 (horário de Brasília), com um discurso sobre o fortalecimento das instituições no combate à corrupção. Paulo Roberto Galvão (Ministério Público Federal), Deborah Wetzel (World Bank), Matthew Taylor (American University), Ernesto Calvo (University of Maryland), Andrew Arato (The New School), Daniel Kaufmann (Natural Resource Governance Institute), e Paul Lagunes (Columbia University) participarão do debate.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.