Moro diz que nome do futuro chefe da PF pode ser conhecido até sexta

Moro diz que nome do futuro chefe da PF pode ser conhecido até sexta

Nome mais cotado para assumir o topo da corporação é o delegado Maurício Valeixo; futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública cumpre nesta segunda, 19, agenda de reuniões internas no Centro Cultural do Banco do Brasil

Breno Pires/BRASÍLIA

19 Novembro 2018 | 14h02

Sérgio Moro. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou nesta segunda-feira, 19, que o nome do futuro diretor-geral da Polícia Federal pode ser anunciado ainda nesta semana. Cumprindo agenda de reuniões internas no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), Moro confirmou que trouxe para o gabinete de transição dois nomes ligados à Operação Lava Jato, Rosalvo Ferreira Franco e Erika Marena. Eles almoçaram no restaurante que fica no CCBB.

O principal nome cotado para assumir a função de diretor-geral é Maurício Valeixo, superintendente da Polícia Federal no Paraná e amigo de longa data do futuro ministro. Ele já atuou em Brasília na gestão do ex-diretor-geral Leandro Daiello, quando chefiou a Diretoria de Combate ao Crime Organizado (Dicor).

O antecessor de Valeixo no cargo de Superintendente da PF no Paraná, Rosalvo Ferreira Franco, por estar na transição, também passa a ser um nome cotado como possível integrante do grupo do futuro ministro. Rosalvo ocupou por quatro anos e oito meses a Superintendência da PF no Paraná, durante o início e a consolidação da Operação Lava Jato, até dezembro passado, quando assumiu o Mauricio Valeixo.

Além de Rosalvo, também integra o gabinete de transição a delegada da PF Erika Marena, Superintendente do órgão Sergipe. Ela é um dos nomes que devem trabalhar com Moro no Ministério. Rosalvo e Marena almoçaram com Moro, acompanhados também de Flavia Blanco, que deve ser chefe de gabinete de Moro, e do agente da Polícia Federal Marcos Koren, que está supervisionando a segurança do futuro ministro nas viagens à capital federal.

Exonerado do cargo de juiz federal na semana passada, Moro chegou a Brasília na manhã desta segunda e tem reuniões ao longo do dia no CCBB, em Brasília, onde funciona o gabinete de transição do governo.

Em breve conversa com jornalistas após almoçar no CCBB, Moro disse que está cuidando de formação de ministério e de organograma de atividades na transição e disse que “talvez” o nome a ser indicado para a diretoria-geral da PF saia esta semana.

O delegado da PF Igor Romário de Paula, um dos nomes da Lava Jato no Paraná, é cotado como possível chefe da Dicor na proxima gestão.

O atual diretor-geral, Rogerio Galloro, não deverá permanecer no posto. “No momento certo os anúncios públicos serão feitos”, disse Moro.

Moro chegou a Brasília por volta das 10h30 e deve ficar até quinta-feira. Entre as atividades em Brasília, Moro poderá ter novo encontro com os ministros das pastas que, fundidas, irá comandar: o da Justiça, Torquato Jardim, e o da Segurança Pública, Raul Jungmann.