Moro diz que Lava Jato em Curitiba está ‘indo para o final’

Moro diz que Lava Jato em Curitiba está ‘indo para o final’

Juiz federal foi homenageado em São Paulo nesta segunda-feira, 2, pela Universidade Notre Dame com mesma láurea já concedida à madre Teresa de Calcutá

Julia Affonso, Luiz Vassallo e Fausto Macedo

02 de outubro de 2017 | 15h53

Moro recebe prêmio. Foto: Reprodução

O juiz federal Sérgio Moro disse nesta segunda-feira, 2, que a Operação Lava Jato em Curitiba – base e origem da grande investigação – ‘está indo para o final’.

“Em Curitiba a investigação sempre foi sobre os contratos da Petrobrás que geraram valores e as pessoas que pagavam (propinas). Grande parte já foi processada. As que recebiam e não tinham foro privilegiado, igualmente. Daí a minha afirmação de que acredito que está indo para o final em Curitiba.”

Moro é o magistrado símbolo da Operação Lava Jato. Há mais de três anos e meio, o juiz da 13.ª Vara Federal, de Curitiba, autoriza os avanços da maior investigação contra a corrupção já aberta no País.

OUTRAS DO BLOG: + Juiz da Lava Jato manda hospital entregar registro de visitas a Glaucos

Presidência pagou R$ 190 mil de aluguel do apartamento atribuído a Lula

Planilha de ‘contas mensais’ apreendida na casa de Lula não registra aluguel de apartamento

Herdeira de apartamento em nome de primo de Bumlai diz que venda era para Lula

Nesta segunda, 2, ele foi homenageado em São Paulo pela Universidade Notre Dame com a mesma láurea já concedida à madre Teresa de Calcutá.

A universidade definiu Sérgio Moro como alguém ‘comprometido em nada mais que a preservação da integridade de sua nação através de sua aplicação firme e imparcial da lei’.

“Ao abordar os problemas perniciosos da corrupção pública de forma judiciosa, porém diligente, o Dr. Moro fez uma acentuada diferença para todos os brasileiros, e para a humanidade em geral, no que se refere a nossa sede universal de Justiça. A Universidade também reconhece e elogia o serviço público do Dr. Moro como o “juiz dos velhinhos”, cujas decisões refletiram empatia e compreensão aos idosos”, afirma a Notre Dame.

Além de madre Teresa de Calcutá, já foram premiados os humanitários Jimmy e Rosalyn Carter, dos Estados Unidos, o historiados e ativista Andrea Riccardi, da Itália, e o membro parlamentar Helen Suzman, da África do Sul.

“Os homenageados previamente com o Prêmio Notre Dame, cada um à sua maneira, atuaram como pilares de consciência e integridade, suas ações beneficiando seus compatriotas e, através de seus exemplos, o mundo inteiro, quando se comprometeram com a fé, a justiça, a paz, a verdade e a solidariedade com os mais vulneráveis”, informa a Universidade.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoLula

Tendências: