Moro desmente Bolsonaro e diz que não usou substituição de Valeixo como moeda de troca por vaga no Supremo

Moro desmente Bolsonaro e diz que não usou substituição de Valeixo como moeda de troca por vaga no Supremo

Moro também rebateu alegação de Valeixo estar 'exausto' desde o início do ano: 'Ele estava cansado de ser assediado desde agosto do ano passado para ser substituído'

Paulo Roberto Netto e Luiz Vassallo

24 de abril de 2020 | 18h24

O ex-ministro Sérgio Moro negou a acusação do presidente Jair Bolsonaro de que a substituição do ex-diretor geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, tenha sido ‘moeda de troca’ para a próxima vaga do Supremo Tribunal Federal (STF), que abrirá em novembro com a aposentadoria do decano, ministro Celso de Mello.

“A permanência do diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, nunca foi utilizada como moeda de troca para minha nomeação para o STF”, escreveu Moro. “Aliás, se fosse esse meu objetivo, teria concordado ontem com a substituição do Diretor Geral da PF”.

O ex-ministro Sérgio Moro anuncia seu pedido de demissão. Foto: Evaristo Sá / AFP

Em pronunciamento, Bolsonaro afirmou que Moro condicionou a exoneração de Valeiro à indicação para a Corte. “Me desculpe, mas não é por aí”, declarou Bolsonaro no Palácio do Planalto. “Reconheço as suas qualidades em chegando lá, se um dia chegar, pode fazer um bom trabalho, mas eu não troco. E outra coisa, é desmoralizante para um presidente ouvir isso”.

Valeixo foi exonerado nesta sexta-feira, 24, levando Moro a pedir demissão em sequência e acusar Bolsonaro de tentar interferir politicamente no comando da Polícia Federal para obter acesso a informações sigilosas e relatórios de inteligência.

Moro era um dos cotados para vaga no STF, indicação que cabe ao presidente da República.

Em outro tuíte, Moro rebateu a alegação de Bolsonaro que Valeixo, na verdade, pediu demissão por se sentir exausto desde o início do ano. O ex-ministro afirmou que, na verdade, o ex-diretor-geral estava cansado ‘de ser assediado dese agosto do ano passado para ser substituído’.

“Ontem, não houve qualquer pedido de demissão, nem o decreto de exoneração passou por mim ou me foi informado”, afirmou Moro.

Na madrugada desta sexta, um decreto com a exoneração ‘a pedido’ de Valeixo foi publicada no Diário Oficial da União com a assinatura de Moro, que alega não ter assinado o documento.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: