Moro decreta prisão preventiva de ‘operador’ de Sérgio Cabral

Moro decreta prisão preventiva de ‘operador’ de Sérgio Cabral

Wilson Carlos foi preso em regime temporário na quinta-feira, 17, na Operação Calicute, em parceria com a Lava Jato; juiz federal acolheu manifestação da Procuradoria da República, que coloca investigado na prisão por tempo indeterminado

Julia Affonso, Mateus Coutinho, Fausto Macedo e Ricardo Brandt

21 de novembro de 2016 | 18h52

Sérgio Moro. Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Sérgio Moro. Foto: Paulo Whitaker/Reuters

O juiz federal Sérgio Moro decretou nesta segunda-feira, 21, a prisão preventiva de Wilson Carlos, apontado como operador administrativo do ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB). Wilson Carlos foi preso em caráter temporário na quinta-feira, 17, na Operação Calicute, etapa da Lava Jato.

A decisão do magistrado acolhe pedido da Procuradoria da República que havia pedido a conversão da temporária em preventiva, que coloca Wilson Carlos em custódia por tempo indeterminado.

Documento

Wilson Carlos foi secretário de Administração da Gestão de Sérgio Cabral. Segundo delatores da Lava Jato, ele ‘era o operador administrativo do ex-governador, sendo responsável pela organização da forma de pagamento e da cobrança das propinas ajustadas pelas empreiteiras com Sérgio Cabral’.

Na decisão, Moro afirmou que ‘os indícios cumpridamente analisados nesta decisão somam-se ao teor dos depoimentos prestados pelos quatros colaboradores, incluindo um ex-diretor da Petrobrás e três altos executivos da Andrade Gutierrez, analisados na decisão de 10 de novembro de 2016, segundo os quais teria havido pagamento de propinas pela Andrade Gutierrez a Sérgio Cabral, a Carlos Miranda e a Wilson Carlos, em vários contratos e obras públicas, inclusive no contrato da empreiteira com a Petrobrás para as obras de terraplanagem no Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro)’.

“Defiro o requerido pelo Ministério Público Federal, para, presentes os pressupostos da prisão preventiva, boa prova de materialidade e de autoria, e igualmente os fundamentos, risco à ordem pública, à aplicação da lei penal e à instrução ou à investigação, decretar, com base nos artigos. 311 e 312 do Código de Processo Penal, a prisão preventiva de Wilson Carlos Cordeiro da Silva Carvalho”, ordenou Moro.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoWilson Carlos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.