Moro confisca R$ 640 mil de Cláudia

Moro confisca R$ 640 mil de Cláudia

Na sentença em que absolveu a mulher do ex-presidente da Câmara dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão fraudulenta de divisas, juiz da Lava Jato decidiu reter o saldo de conta secreta na Suíça

Fausto Macedo, Julia Affonso, Ricardo Brandt e Luiz Vassallo

26 de maio de 2017 | 05h00

Foto: Divulgação

O juiz federal Sérgio Moro decretou o confisco de 176,67 mil francos suíços (ou cerca de R$ 640 mil) de Cláudia Cruz, mulher do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB/RJ). A medida foi tomada na mesma sentença em que Moro absolveu Cláudia dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão fraudulenta de divisas.

Documento

O dinheiro está depositado na Kopec, conta que Cláudia mantinha secretamente na Suíça. Os investigadores afirmam que a conta era abastecida com propinas que o marido dela recebia. O saldo chegou a US$ 1 milhão – dinheiro oriundo de repasse ilícito a Eduardo Cunha em um contrato da compra de parte do campo de Benin, na África, pela Petrobrás em 2011.

“Considerando que, apesar da absolvição de Cláudia Cordeiro Cruz por falta de prova suficiente do dolo, os valores mantidos na conta em nome da Kopek são oriundas de contas controladas por Eduardo Cosentino da Cunha, condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, tendo, portanto, origem e natureza criminosa, decreto, com base no artigo 91 do Código Penal, o confisco do saldo de aproximadamente 176.670,00 francos suíços sequestrados na conta em nome da Kopek.”

A força-tarefa da Operação Lava Jato afirma que Cláudia usou a conta para manter alto padrão de vida na Europa, onde frequentava os endereços mais chiques do mundo, lojas de grife, hotéis de alto padrão e restaurantes requintados.

RELEMBRE: + Lava Jato pediu regime fechado para Cláudia Cruz

+ Propina pagou Dior e Chanel a mulher e filha de Cunha, aponta denúncia

+ ‘Dinheiro público foi convertido em sapatos e roupas de grife’, diz procurador sobre gastos da mulher de Eduardo Cunha

Moro destacou que a efetivação do confisco dependerá da colaboração das autoridades suíças em cooperação jurídica internacional.

“Necessário estimar o valor mínimo para reparação dos danos decorrentes do crime, nos termos do artigo 387, IV, do Código de Processo Penal”, assinalou o juiz.

A Comissão Interna de Apuração da Petrobrás apontou prejuízo de cerca de US& 77,5 milhões no negócio de Benin. “Reputo mais apropriado fixar um valor mais conservador, correspondente ao montante da vantagem indevida recebida, de um milhão e quinhentos mil dólares. Trata­-se aqui do valor da indenização mínima, o que não impede a Petrobrás ou o Ministério Público Federal de perseguirem valores, no cível, adicionais.”

“Os US$ 1,5 milhão devem ser convertidos pelo câmbio de 23 de junho de 2011 (1,58) e a eles agregados juros de mora de 0,5% ao mês. Os valores são devidos à Petrobrás. Evidentemente, no cálculo da indenização, deverão ser descontados os valores efetivamente confiscados.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: