Moro bloqueia R$ 6 mi de Tiago Cedraz e mais um alvo da Abate II

Moro bloqueia R$ 6 mi de Tiago Cedraz e mais um alvo da Abate II

Juiz da Lava Jato atende pedido da Polícia Federal e da Procuradoria da República que atribuem ao filho do ministro Aroldo Cedraz, do TCU, e também a outro advogado, Sérgio Tourinho, 'participação no esquema criminoso na Petrobrás'

Julia Affonso e Ricardo Brandt

23 Agosto 2017 | 10h27

Sérgio Moro. Foto: Felipe Rau/Estadão

O juiz federal Sérgio Moro decretou o bloqueio de R$ 6 milhões dos advogados Tiago Cedraz e Sérgio Tourinho Dantas, ambos investigados na Operação Abate II, fase 45 da Lava Jato. A medida foi adotada a pedido da Polícia Federal e da Procuradoria da República em Curitiba, base da Lava Jato, sob argumento de que Cedraz e Tourinho fazem parte de ‘esquema criminoso’ instalado na Petrobrás.

Documento

O valor do bloqueio seria referente à comissão que os advogados receberam na contratação da empresa americana Sargeant Marine pela Petrobrás – operação que envolve, ainda, o ex-líder dos Governos Lula e Dilma na Câmara, Cândido Vaccarezza.

“Viável o decreto do bloqueio dos ativos financeiros dos investigados em relação aos quais há, em cognição sumária, prova de pagamento ou recebimento de propina”, assinalou Moro.

OUTRAS DO BLOG: + A ajuda de Bendine para a Odebrecht contra ‘efeito de arresto’ com a Lava Jato

Operadores entregam planilhas com repasses a ‘representante’ de Lobão

Um ano após eleição, patrimônio da sra Raupp mais que dobrou e R$ 300 mil em espécie apareceram

+ Assista: ‘Você viu quem deixou esse envelope aqui?’

PF não vê provas de que indicação de ministro do STJ por Dilma obstruiu Lava Jato

Para o magistrado, ‘não importa se tais valores, nas contas bancárias, foram misturados com valores de procedência lícita’.

“O sequestro e confisco podem atingir tais ativos até o montante dos ganhos ilícitos”, afirma Moro.

Em sua decisão, o juiz da Lava Jato observa que Sérgio Tourinho Dantas e Tiago Cedraz Leite Oliveira seriam, de acordo com a PF, as siglas ‘ST’ e ‘TC’ que constam de planilhas de distribuição de propinas e que foram apreendidas.

“Embora Sérgio Tourinho Dantas e Tiago Cedraz Leite Oliveira sejam advogados, a imunidade profissional não abrange suas atividades, já que aqui há indícios, em cognição sumária, de sua participação em esquema criminoso que envolveu o pagamento de vantagem indevida”, decidiu Moro.

“Resolvo decretar o bloqueio das contas dos investigados até o montante de seis milhões de reais, correspondente aproximadamente ao montante total pago pela Sargeant Marine a título de comissão. Ainda que eles (Cedraz e Tourinho) tenham recebido somente parte dos valores, sua participação no esquema criminoso torna-os, em princípio, responsáveis pelo todo. Defiro, portanto, o requerido e decreto o bloqueio dos ativos mantidos em contas e investimentos bancários dos seguintes investigados: a) Sergio Tourinho Dantas; e b) Tiago Cedraz Leite de Oliveira. Os bloqueios serão implementados, pelo BacenJud quando da execução dos mandados de busca. Junte-se oportunamente o comprovante aos autos.”

O juiz anotou que a medida apenas gera o bloqueio do saldo do dia constante nas contas ou nos investimentos, não impedindo, portanto, continuidade das atividades das empresas ou entidades, considerando aquelas que eventualmente exerçam atividade econômica real.

COM A PALAVRA, TIAGO CEDRAZ

O advogado Tiago Cedraz reitera sua tranquilidade quanto aos fatos apurados por jamais ter participado de qualquer conduta ilícita, confia na apuração conduzida pela Força Tarefa da Lava Jato e permanece à disposição para quaisquer esclarecimentos necessários.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoTiago Cedraz