Ministros do STF reagem a espancamento de homem negro por seguranças do Carrefour

Ministros do STF reagem a espancamento de homem negro por seguranças do Carrefour

Rafael Moraes Moura e Matheus de Souza

20 de novembro de 2020 | 21h06

Vídeo compartilhado nas redes sociais mostra agressões a homem negro no estacionamento do Carrefour Foto: Twitter/Reprodução

Em reação ao espancamento de um homem negro até a morte por seguranças de um supermercado Carrefour de Porto Alegre às vésperas do Dia da Consciência Negra, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Luiz Fux, fez um minuto de silêncio em cerimônia de assinatura de um acordo de cooperação técnica entre o CNJ e a Faculdade Zumbi dos Palmares.

“Gostaria preliminarmente de antes de iniciarmos, esse evento, pedir um minuto de silêncio em homenagem a Luiz Alberto Silveira Freitas, negro, 40 anos que foi morto na noite de ontem por seguranças de supermercado em Porto Alegre. Independentemente de versões, o que nos deve nos preocupar é a violência desacerbada, toda violência é desmedida e deve ser banida da nossa sociedade. Mas esse episódio, é um triste episódio, exatamente no momento em que nós comemoramos o Dia Nacional da Consciência Negra”, disse Fux na abertura da solenidade.

Nas redes sociais, o ministro Alexandre de Moraes escreveu que o “o bárbaro homicídio praticado no Carrefour escancara a obrigação de sermos implacáveis no combate ao racismo estrutural”.

O ministro Gilmar Mendes, por sua vez, aderiu a hashtag “#vidasnegrasimportam” e publicou que “o episódio só demonstra que a luta contra o racismo e contra a barbárie está longe de acabar.”

O assunto ficou entre os mais comentados do Twitter no Brasil ao longo desta sexta-feira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.