Ministro vai aguardar decisão do TRE/Rio para depois analisar habeas do presidente do PR

Ministro vai aguardar decisão do TRE/Rio para depois analisar habeas do presidente do PR

Jorge Mussi, do Tribunal Superior Eleitoral, só vai examinar pedido da defesa de Antônio Carlos Rodrigues depois que Corte Regional fluminense decidir sobre mérito

Julia Affonso e Luiz Vassallo

30 Novembro 2017 | 17h07

Antonio Carlos Rodrigues, presidente do PR. Foto: Ed Ferreira/Estadão

O ministro Jorge Mussi, do Tribunal Superior Eleitoral, decidiu aguardar o julgamento de mérito do habeas corpus de Antônio Carlos Rodrigues – marcado para o dia 4 de dezembro -, para depois examinar pedido da defesa do presidente nacional do PR e ex-ministro dos Transportes do Governo Dilma (2012/2014), preso desde terça-feira, 28, no âmbito da Operação Caixa D’Água – investigação que prendeu também os ex-governadores Anthony Garotinho e Rosinha, ela colocada em liberdade na madrugada desta quinta, 30.

Documento

Rosinha deixa a prisão

Tribunal Eleitoral solta Rosinha, com tornozeleira, mas mantém Garotinho preso

Mussi tomou a mesma decisão em relação a outros dois pedidos de habeas, um para Fabiano Rosas Alonso, outro para Thiago Soares de Godoy, ambos também investigados na Caixa D’Água.

A operação aponta suposto esquema de propinas de empresas da região do município de Campos dos Goytacazes, ao norte do Rio, então sob gestão de Rosinha, para financiar campanhas de Garotinho e ampliação patrimonial do casal.

‘Garotinho, o ‘Líder’, entrou na sala muito irritado e disse que precisava de 5 milhões’

Justiça Eleitoral manda bloquear bens de Garotinho e Rosinha

‘Denúncias da Cadeia Velha: vergonha, vergonha, vergonha !!! Ainda vai aparecer muita sujeira por aí’

A prisão do grupo foi decretada pela Justiça Eleitoral de Campos.

Antônio Carlos Rodrigues é citado como suposto envolvido na extorsão de R$ 3 milhões da Odebrecht para a campanha de Garotinho em 2014. Ele nega taxativamente ligação com o caso.

Garotinho e Rosinha foram presos na semana passada. Garotinho continua recolhiudo em Bangu. Sua mulher ocupava a ala feminina da cadeia de Benfica. Nesta quarta-feira, 29, o Tribunal Regional Eleitoral do Rio mandou soltar Rosinha.

Antônio Carlos Rodrigues, por sua vez, ficou foragido uma semana. Nesse intervalo, sua defesa ingressou com pedido de habeas corpus no TRE do Rio, mas liminarmente a desembargadora Cristiane Frota negou.

Os advogados de defesa, Daniel Bialski e Marcelo Bessa, entraram com novo pedido de habeas, agora no Tribunal Superior Eleitoral. Bialski e Bessa refutam taxativamente envolvimento do ex-ministro com propinas para Garotinho.

Na terça, 28, o presidente do PR apresentou-se à Polícia Federal.

Nesta quinta, 30, o ministro Jorge Mussi, do TSE, decidiu. “Diante do julgamento pelo TRE/RJ, marcado para a sessão de 4 de dezembro de 2017 (segunda-feira) do mérito dos habeas corpus impetrados na origem pelos pacientes (Antônio Carlos Rodrigues, Fabiano Rosas Alonso e Thiago Soares de Godoy) e, ainda, do teor da Súmula 691/STF, aguarde-se a deliberação daquela Corte.”

Mais conteúdo sobre:

TRE-RJAntonio Carlos Rodrigues