Ministério Público de São Paulo elege hoje procurador-geral de Justiça

Ministério Público de São Paulo elege hoje procurador-geral de Justiça

Antonio Carlos da Ponte e Mario Luiz Sarrubbo disputam o voto de 2 mil promotores e procuradores em todo o Estado na corrida pela sucessão de Gianpaolo Poggio Smanio, que completa dois mandatos consecutivos

Fausto Macedo e Pepita Ortega

04 de abril de 2020 | 05h00

Procuradores de Justiça Antonio Carlos da Ponte e Mario Luiz Sarrubbo. FOTOS: MPSP E DIVULGAÇÃO

Os procuradores de Justiça Antonio Carlos da Ponte e Mario Luiz Sarrubbo disputam neste sábado, 4, o cargo de procurador-geral de Justiça de São Paulo. Votam na eleição 1.700 promotores e 300 procuradores, e a escolha do candidato é feita de maneira remota, pelo celular ou pelo computador. O modelo remoto, já adotado em pleitos anteriores, não tem relação com a pandemia do novo coronavírus.

O futuro chefe do Ministério Público de São Paulo vai suceder a Gianpaolo Poggio Smanio, que comandou a instituição por dois mandatos consecutivos. Nesse período, Smanio pacificou a Procuradoria, sempre marcada por conflitos internos, e investiu decididamente em ações da Promotoria direcionadas a questões de âmbito social, sobretudo nas áreas da saúde e da educação, além do combate à sonegação e aos crimes de lavagem de dinheiro. Smanio deu ampla liberdade aos promotores que atuam contra a corrupção e a improbidade.

Caberá ao governador João Doria escolher o mandatário do Ministério Público paulista, independentemente da colocação dos candidatos na disputa deste sábado.

Professor da Faculdade de Direito da PUC-SP e integrante do MP de São Paulo desde junho de 1988, Antonio Carlos da Ponte, de 55 anos, critica o que considera “falta de liderança” na instituição e defende a participação também de promotores na disputa ao topo do MP.

Para lidar com a atual crise na Saúde, Antonio da Ponte, candidato da oposição, propõe a criação de uma “força-tarefa multidisciplinar” e a instalação de um gabinete de crise para discutir medidas de combate à covid-19 e ações “conjugadas e integradas” contra a doença. Prega, ainda, um Ministério Público proativo e resolutivo no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

Candidato da situação, com apoio de Smanio, Sarrubbo, de 57 anos e na carreira desde novembro de 1989, avalia que a Procuradoria-Geral de Justiça “precisa fomentar a implementação de políticas institucionais que tornem a atuação do Ministério Público de São Paulo mais estratégica”.

Em meio ao avanço do coronavírus, Sarrubbo diz que a população espera do MP de São Paulo uma “atuação resolutiva”, que garanta o acesso da sociedade a tratamento e políticas públicas de prevenção à covid-19. Neste momento, afirma, a Saúde é “prioridade absoluta”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: