“Minha função era arrecadar dinheiro para o esquema político”

“Minha função era arrecadar dinheiro para o esquema político”

Gutson Bezzerra, delator que cita o governador Robinson Faria como beneficiário de supostos esquemas na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, afirma 'ter medo de morrer', em entrevista à Rede Globo

Luiz Vassallo

11 Março 2018 | 23h50

Robinson Faria (PSD). Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O delator Gutson Bezerra afirmou, em entrevista ao programa Fantástico, da Rede Globo, que foi nomeado no Instituto de Defesa do Meio Ambiente do Rio Grande do Norte para ‘arrecadar dinheiro’ de desvios da Assembleia Legislativa para um ‘esquema político’. Em seu acordo de colaboração premiada, ele cita que desvios abasteciam o governador Robinson Faria (PSD).

+ Governador Robinson embolsava R$ 100 mil mensais, diz delatora

Gutson é filho de Rita das Mercês, que foi procuradora-geral da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte e é a principal delatora da Operação Dama das Espadas. Quando deflagrada, a ação do Ministério Público Estadual junto da PM, em 2015, mirava desvios de R$ 5,5 milhões envolvendo funcionários fantasmas e apropriação de salários na Casa.

Rita das Mercês também é pivô da Operação Anteros, da Polícia Federal, deflagrada em 2017, que flagrou, em ação controlada, a delatora recebendo dinheiro de Adelson Freitas, assessor do governador Robinson Faria, que está denunciado por obstrução de Justiça, acusado de supostamente tentar comprar o silêncio da colaboradora.

Gutson afirmou ter ‘medo de morrer’. “Eu sou uma queima de arquivo!”.

“Minha função era arrecadar dinheiro para o esquema político. Eu tinha que gerar dinheiro para os políticos para servir de campanha eleitoral”, afirma.

“Eu fiz parte do esquema, nunca vou dizer que fui inocente, nada não, mas até hoje só eu paguei por isso. Eu entreguei todos os meus bens”, completou, em entrevista ao Fantástico.

O delator devolveu, como parte do acordo, R$ 11 milhões, valor que inclui 10 apartamentos. Ele está em regime semiaberto, com uso de tornozeleira eletrônica.

De acordo com o TCE-RN, desvios no Idema chegaram aos R$ 35 milhões.

O governador Robinson Faria nega a suposta compra do silêncio de Rita das Mercês e a participação em desvios na Assembleia Legislativa.