Médicos pedem que governo ‘saneie’ Hemobrás, novo alvo da PF

Profissionais da Associação Brasileira de Hematologia se dizem 'preocupados' com a Operação Pulso, que mira em dirigentes da Empresa de Hemoderivados

fabiana cambricoli, andreza matais, de brasília, e fausto macedo

11 de dezembro de 2015 | 06h04

fabricahemobras
A Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH) – formada por médicos e profissionais da área de sangue e hemoderivados – informou que acompanha ‘com preocupação’ a Operação Pulso, da Polícia Federal, deflagrada na quarta-feira, 9, para reprimir organização criminosa envolvida em um esquema de direcionamento de licitações e desvio de recursos públicos da Hemobrás – Empresa Brasileira de Hemoderivados E Biotecnologia, vinculada ao Ministério da Saúde.

“A ABHH, ao longo dos últimos anos, denunciou a falta de transparência nos negócios da Hemobrás e solicitou, por várias vezes, assento, como representante dos especialistas em hematologia e hemoterapia, no Conselho da Empresa, pleito este que nunca foi considerado”, afirma a entidade, em nota divulgada na quarta. “A ABHH espera que, apesar das graves irregularidades apontadas, o fornecimento de medicamentos aos pacientes não seja interrompido e que o governo aproveite a oportunidade para sanear esta empresa que é de todos os brasileiros.”

A PF mira nos principais dirigentes da Hemobrás, entre eles o diretor-presidente Rômulo Maciel Filho e o diretor de Produtos Estratégicos e Inovação Mozart Sales, criador do programa Mais Médicos, polêmica aposta do governo Dilma Rousseff para a área da saúde pública. Quando os agentes chegaram ao prédio residencial de Maciel Filho, em Recife, ‘voou’ dinheiro vivo pela janela.

Maciel Filho e Mozart Sales foram afastados de suas funções.
A Operação Pulso aponta desvios por meio de obras e contratos superfaturados. Os recursos desviados podem ter sido usados para financiar campanhas eleitorais, segundo os investigadores.

A Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular destacou que a Hemobrás ‘é responsável pelo recolhimento do plasma excedente do hemocentros públicos e seu posterior encaminhamento para o fracionamento pela empresa francesa LFB’.

Um dos contratos sob suspeita da PF é relativo ao armazenamento do plasma ultimamente feito em caminhões frigoríficos. O contrato inicial, no valor de R$ 880 mil teria sido majorado para R$ 8,3 milhões sem licitação.

“A Hemobrás também é responsável pela compra e distribuição dos fatores de coagulação usados para o tratamento de pacientes hemofílicos o que causa preocupação nos médicos e pacientes ante a possível interrupção deste fornecimento”, alerta a ABHH.

COM A PALAVRA, A HEMOBRÁS

Em nota publicada em sua página na internet, a Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia informou que está colaborando com as investigações. A Hemobrás afirma que ‘as ações da Operação Pulso não atrapalham o funcionamento da empresa nem o cumprimento dos prazos já estabelecidos na entrega de medicamentos em todo o território nacional’

COM A PALAVRA, O MINISTÉRIO DA SAÚDE

Na quarta-feira, 9, quando a Polícia Federal deflagrou a Operação Pulso, o Ministério da Saúde emitiu nota à imprensa.

“O Ministério da Saúde considera inadmissível qualquer uso inadequado e irregular de recursos públicos, sobretudo quando se trata de desvios de verba da saúde, impactando na vida de pacientes e familiares. Até o momento, a pasta não foi notificada da Operação Pulso da Polícia Federal, deflagrada nesta quarta-feira (9). Em todo caso, o Ministério da Saúde está buscando conhecer o objeto da investigação para que, então, possa adotar qualquer medida que seja necessária. Também se coloca à disposição das autoridades policiais para contribuir com as investigações.”

COM A PALAVRA, ROMULO MACIEL FILHO E MOZART SALES

Segundo a Hemobrás, Romulo Maciel Filho ‘não deseja’ se manifestar à imprensa sobre a Operação Pulso.
Mozart Sales não foi localizado.

Tudo o que sabemos sobre:

Operação Pulso

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.