Marco Aurélio manda recado a Bolsonaro em posse de Fux: ‘Busque corrigir desigualdades sociais’

Marco Aurélio manda recado a Bolsonaro em posse de Fux: ‘Busque corrigir desigualdades sociais’

'Cuide especialmente dos menos afortunados, seja sempre feliz na cadeira de mandatário maior do País', completou o ministro do STF

Rafael Moraes Moura, Julia Lindner e Jussara Soares

10 de setembro de 2020 | 16h46

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello. Foto: Dida Sampaio / Estadão

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), aproveitou nesta quinta-feira (10) a solenidade de posse do ministro Luiz Fux, que acaba de assumir o comando do tribunal, para mandar um recado ao presidente Jair Bolsonaro, que também acompanha a sessão presencialmente.

“Vossa Excelência foi eleito com mais de 57 milhões de votos, mas é presidente de todos os brasileiros”, disse Marco Aurélio, primeira autoridade a se pronunciar na cerimônia.

“Busque corrigir as desigualdades sociais, que tanto nos envergonham. Cuide especialmente dos menos afortunados, seja sempre feliz na cadeira de mandatário maior do País”, completou o ministro.

Entre as autoridades que prestigiam a solenidade estão os presidentes da República, Jair Bolsonaro, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), além de integrantes do STF.

“Constatamos tempos estranhos, de controvérsia política, crise econômico financeira e efeitos de pandemia sem precedentes. Valendo-me da palavra do prêmio Nobel da literatura, Albert Camus, em meio aos flagelos, às agruras da vida, se aprende que há mais nos homens e mulheres a admirar, do que a desprezar”, observou Marco Aurélio Mello.

“O horizonte é sombrio. Fora da Carta da República não há salvação, apenas arbítrio e autoritarismo.”

Em sua fala, Marco Aurélio destacou que o Supremo “não mais apenas interpreta a Carta da República, mas o faz por todos os juízes e tribunais do país, sendo exigido clareza, coerência e integridade na fixação de teses, premissas e fundamentos de forma a orientar a máquina judiciária”.

“O brasileiro aprendeu o caminho da cidadania e confiando no funcionamento das instituições habituou-se a bater às portas da Justiça sempre que diante de qualquer incerteza sobre direitos. Buscam-se juízes e não semideuses encastelados em torre de marfim. O Judiciário não pode se fechar em torno de si mesmo, omitindo-se, furtando-se de participar dos destinos da sociedade. O magistrado deve ser sensível ao cotidiano da comunidade em que vive, mas sem fazer concessão ao que não é certo, sem se preocupar em agradar”, acrescentou o ministro.

“Sensatez”.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, relembrou o currículo de Fux e chegou a citar questões pessoais ligadas ao novo presidente do STF, como o seu apreço pelas artes marciais, citando especificamente o jiu-jitsu, e a sua torcida pelo time de futebol Fluminense.

Aras também destacou que a Constituição faz parte do “caminho pela sensatez” e colocou o MP à disposição do novo presidente do STF. “O Ministério Público brasileiro apresenta aos futuros presidente e vice-presidente do Supremo votos de muita saúde e sabedoria”, disse. “Contem com o apoio do Ministério Público brasileiro.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.