Marketing no universo gamer: quando entretenimento gera awareness e bons negócios

Marketing no universo gamer: quando entretenimento gera awareness e bons negócios

Guto Cunha*

17 de março de 2021 | 03h00

Guto Cunha. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Quase meio século depois do lançamento do primeiro videojogo lucrativo da história, o lendário Pong de 1972, vemos um cenário da cultura gamer atingindo um ápice de maturidade interessante não só para os times e jogadores competitivos, mas também para as marcas que querem se associar a esse universo. Para se ter uma ideia do tamanho de setor que por muitos ainda é considerado nicho, segundo dados da empresa de pesquisas Statista, o valor movimentado pelo mercado de eSports em 2020 foi de 950,3 milhões de dólares, rumando para a casa do bilhão provavelmente ainda em 2021.

Esses dados, a tradição do mercado, a fidelidade de quem gosta dos jogos eletrônicos, tudo isso faz a aposta nos gamers uma opção interessante até mesmo para marcas que, num primeiro momento, não parecem ter tanta aderência com um público supostamente mais jovem. A realidade é que quase 60% dos jogadores estão nas faixas etárias entre 25 e 54 anos de idade – boa parte da população economicamente ativa – de acordo com informações da pesquisa PGB20.

Nada disso, entretanto, seria possível sem o poder de disseminação da internet. Hoje principal plataforma para a comunidade gamer brasileira, a Twitch é a empresa de streaming pertencente à Amazon, concorrente do YouTube, voltada principalmente às transmissões ao vivo de diversos tipos de conteúdo, que chegou ao Brasil em 2011 ajudando a criar diversos perfis de influenciadores nessa área.

Levando tudo isso em consideração, voltar ações de marketing para esse público parece uma boa ideia. Por isso, entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021 promovemos um concurso junto à Red Canids, uma das maiores organizações de esportes eletrônicos do país, já patrocinada pela nossa marca, em que promovemos lives entre os streamers da equipe e pessoas iniciantes na Twich, com o intuito de promover tanto os canais novatos quanto as bandeiras da marca de uma forma bastante interativa e descontraída.

Assim, ao mesmo tempo que reforçávamos nosso branding e levávamos a cultura de uso dos nossos produtos a esse público, a ideia foi apoiar a comunidade superengajada da Twitch e ajudar os streamers iniciantes a conquistarem espaço na plataforma de um modo divertido, como trabalhamos em todas as nossas ações.

Para o futuro próximo, continuaremos apostando nos games, nos esportes eletrônicos, na comunidade jovem e engajada de streamers em nossas ações nesse mercado que não só já é gigantesco mas também, como visto aqui, ainda tem muito espaço para crescer e levar nossa marca ainda mais longe.

*Guto Cunha, gerente de Marketing da FreeBrands

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.