Mariz vai à Câmara defender ‘ilicitude da prova’ contra Temer

Mariz vai à Câmara defender ‘ilicitude da prova’ contra Temer

Após leitura do parecer do relator, deputado Sérgio Zveiter (PMDB/RJ), advogado do presidente vai fazer sustentação oral em que pedirá aos deputados da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania que não autorizem processo criminal contra peemedebista

Julia Affonso e Valmar Hupsel Filho

10 Julho 2017 | 11h51

O advogado do Presidente Michel Temer, Antônio Cláudio Mariz de Oliveira. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

O criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira vai â Câmara nesta segunda-feira, 10, para promover uma enfática defesa de Michel Temer e pedir aos deputados da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania que votem pela não autorização ao Supremo Tribunal Federal e barrem a abertura de processo criminal contra o presidente.

Após a leitura do parecer do relator, deputado Sérgio Zveiter (PMDB/;RJ), o advogado do presidente vai fazer sustentação oral, por meio da qual pretende convencer os parlamentares de que Temer é inocente.

+ ENTREVISTA: ‘Não subestimo os parlamentares, não acho que já ganhou’

As 82 perguntas da PF que Temer ignorou

‘Invasivas e inoportunas’: o que Temer achou das 82 perguntas da PF

Mariz vai argumentar basicamente o que chama de ‘ilicitude da prova’ contra Temer, alvo de denúncia criminal do procurador-geral da República Rodrigo Janot por corrupção passiva no caso JBS – o procurador sustenta que Temer era o destinatário real da propina de R$ 500 mil que um executivo da JBS repassou para o então assessor especial do presidente, Rodrigo Rocha Loures, flagrado na noite de 28 de abril pegando uma mala preta com 10 mil notas de R$ 50 em São Paulo.

Mariz desafia Janot a provar propina da JBS para Temer

‘O valor jurídico do relatório é nenhum’, reage defesa do presidente

Na sustentação oral, Mariz vai cravar a ‘falta de comprovação dos fatos’ atribuídos a Temer. Ele desafia a Procuradoria a apresentar provas de que o dinheiro da JBS iria para o presidente.

Na semana passada, o advogado entregou à presidência da CCJ o documento de defesa, 98 páginas em que busca fulminar em onze tópicos a acusação de Janot.

Nesta segunda, 10, Mariz não vai ler o documento inteiro.

A sustentação oral é a oportunidade que Mariz tem de enfatizar trechos da peça escrita ou esclarecer eventuais dúvidas.

O advogado do presidente considera que os parlamentares da CCJ ‘são magistrados’. “É como se eu estivesse no tribunal”, diz o criminalista.

Ao final da sustentação, Mariz vai pedir aos deputados que não deem sinal verde ao Supremo para abertura da ação criminal contra o presidente.

Mais conteúdo sobre:

Michel Temeroperação Lava Jato