Mar de Lama prende 7 vereadores por ‘mensalinho’ em Valadares

Mar de Lama prende 7 vereadores por ‘mensalinho’ em Valadares

Operação conjunta da Polícia Federal, Promotoria e Ministério da Transparência investiga fraudes e 'sistema de pagamentos' a políticos; carros de luxo, barras de ouro e dólares foram apreendidos

Julia Affonso e Fausto Macedo

19 de maio de 2016 | 17h44

Câmara dos Vereadores de Governador Valadares. Foto: Câmara dos Vereadores de Governador Valadares

Câmara dos Vereadores de Governador Valadares. Foto: Câmara dos Vereadores de Governador Valadares

A Operação Mar de Lama 3, deflagrada nesta quinta-feira, 19, prendeu sete vereadores de Governador Valadares, em Minas. A ação foi deflagrada pelo Ministério Público do Estado, pela Polícia Federal e pelo Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle para dar ‘continuidade à repressão aos diversos crimes contra a administração pública’.

Segundo o promotor de Justiça Evandro Ventura, do Gaeco – braço do Ministério Público que combate crime organizado -, foram apreendidos na Mar de Lama 3 um total de R$ 101,8 mil e US$ 21 mil em dinheiro vivo, além de carros de luxo e barras de ouro. Uma adega de vinhos e bebidas importadas foi lacrada.

A Justiça decretou o sequestro de três apartamentos dos alvos da operação.

Um dos esquemas descobertos pelo Ministério Público de Minas operava dentro da Câmara dos Vereadores de Valadares. Segundo o promotor, foi identificado um ‘sistema de pagamentos’ a vereadores.

Uma empresa de transporte coletivo da cidade pagaria entre R$ 2.600 e 13 mil a cada vereador envolvido, ‘com periodicidade pequena, por vezes quinzenal ou mensal’.

[veja_tambem]

Os investigadores apuraram que a empresa de ônibus conseguiu, ‘mediante pagamento’, aumentar o preço da passagem na cidade e tirar da pauta da Câmara um projeto de lei que beneficiaria o transporte de deficientes.

De acordo com o promotor, o diretor da Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) era o intermediário entre a empresa de ônibus e os vereadores.

Evandro Ventura afirma que o diretor foi à sede da empresa em Belo Horizonte buscar dinheiro para levar aos vereadores. “Vereadores iam até o posto de gasolina pegar dinheiro”, afirma o promotor. Segundo ele, o posto de gasolina pertence a um vice-diretor do Saae.

Durante as buscas na sede da empresa de transporte coletivo, em Governador Valadares, os investigadores encontraram em um computador no local ‘valores saindo de planilhas para o pagamento aos vereadores’.

Na fase dois da Mar de Lama, foi apreendida uma lista que teria a contabilidade indicando ‘entrada’ e ‘saída’ da propina. A ‘entrada’ era marcada com tinta azul, a ‘saída’ com tinta vermelha.

A regra, segundo os investigadores, era a retirada do dinheiro em espécie no posto de gasolina. Mas houve ocasiões em que o dinheiro foi entregue na casa de políticos e de servidores públicos.

VEJA A LISTA DOS VEREADORES DE VALADARES SOB SUSPEITA DA MAR DE LAMA

Ananias Paula da Silva “Ananias Camelô” – PSB
Geovanne Honório – PT
Leonardo Silva Glória – PSD
Levi Vieira da Silva – PMN
Marcos Alves da Silva “Chiquinho” – PSDB
Marinaldo Carlos de Amorim “Zangado”- PROS
Mílvio José da Silva “Milvinho” – PROS
Ricardo Assunção – PTB
Sezary de Oliveira Alvarenga “Cezinha Alvarenga” – PRB

Agentes Públicos:
Adelson Geber Figueiredo – Diretor Financeiro do Saae
Gilson de Souza – Superintendente Regional do Incra em MG
Jefferson Santos Lima – Diretor de Gestão de RH do Saae
Marcos Rodrigo Rios Bertolacini – Secretário Municipal de Serviços Urbanos
Marcos Antônio Vória – Diretor do Departamento de Serviços Funerários e Cemitérios
Omir Quintino Soares – Diretor do Saae
Ranger Belisário Duarte Viana – Secretário Municipal de Governo (afastado no início da investigação)
Vilmar Rios Dias Júnior

Outros envolvidos:
Roberto José Carvalho e Juliana Campos Carvalho (Empresa Valadarense)
José Estanislau de Brito e Lucas Stanislaw de Brito (Padaria Pão Express)
Aldair Santos d’Oliveira e William Charles Costa Moreira (Restaurante Sabor da Praça)
Jean Carlos Soares (gerente do Posto Tabajara)
Thiago Vieira Prado (Construtora Vieira Prado)
Silvana Santos Alves (RH Assessoria)
Ângela Meire Moraes (Confiare Soluções Empresariais – BH)
Douglas Ferreira Bonfim (BJ Manutenção)

COM A PALAVRA, A CÂMARA DE GOVERNADOR VALADARES

A Câmara municipal de Governador Valadares informou que, por meio do seu quadro jurídico, avalia se a prisão dos vereadores seus vencimentos já podem ser cortados. A Câmara destacou que os sete vereadores presos na Mar de Lama 3 já foram afastados de suas funções por determinação da Justiça Federal. O afastamento, destacou a Câmara, ocorreu ainda no curso da segunda etapa da Mar de Lama.

O Legislativo de Valadares tem 21 vereadores, incluindo seu presidente. Dos 7 vereadores afastados seis já foram substituídos. Os suplentes foram empossados com aval da Justiça eleitoral. Falta apenas um.

No início de maio, quando a PF, a Promotoria e o Ministério da Transparência deflagraram a Mar de Lama 2, a Câmara divulgou a nota oficial abaixo informando sobre a posse dos suplentes.

“A Câmara Municipal de Governador Valadares informa que deu início às posses dos suplentes dos vereadores afastados pela Justiça Federal. Em cumprimento à solicitação feita pelo referido órgão, serão convocados todos os suplentes com direito a cadeira que ainda não foram empossados, agilizando assim o processo de substituição e viabilizando os trabalhos parlamentares no legislativo municipal.

Até o momento já tomaram posse Rosemary Mafra (PCdoB), Dilene Dileu (DEM), Geremias Brito (PSL), Jacob do Salão (PSB), Rildo do Hospital (PCS), Pedro Zacarias (PT), Juarez Gomes (DEM), Juca Amorim (PTB), Heldo Armond (Solidariedade), Carlos Nascimento (PMN) e Zé Leiteiro (PPS).

COM A PALAVRA, A PREFEITURA DE GOVERNADOR VALADARES

A Prefeitura só deverá se manifestar sobre a Mar de Lama nesta sexta-feira, 20.