Manifestantes pró e contra Lula preparam atos em Curitiba

Manifestantes pró e contra Lula preparam atos em Curitiba

As manifestações favoráveis e contrárias ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vão começar às 10 horas da manhã desta quarta-feira, 10.

Valmar Hupsel, Ricardo Galhardo, Ricardo Brandt e Bibiana Borba

10 de maio de 2017 | 09h25

Foto: Valmar Hupsel

Militantes favoráveis e contrários ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva devem dar início a manifestações na capital paranaense por volta das 10 horas da manhã desta quarta-feira, 10. Os grupos se concentram em pontos diferentes de Curitiba, à espera do depoimento do petista ao juiz Sérgio Moro, marcado para começar às 14 horas na sede da Justiça Federal, no bairro Ahu.

Cerca de 500 apoiadores de Lula – segundo a PM – estão acampados ao lado da Rodoferroviária, a cerca de 4 quilômetros do local do interrogatório. Mais tarde, os manifestantes falaram em 8 a 10 mil pessoas no local. Eles anunciam o início de uma passeata até o entorno do prédio por volta das 10h. O grupo é liderado principalmente pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), que faz parte da Frente Brasil Popular (FBP). De acordo com os manifestantes, 20 mil pessoas estão no local.

Já os manifestantes que defendem a condenação do ex-presidente marcaram o início da concentração para as 10h, em frente ao Museu Oscar Niemeyer, a cerca de um quilômetro da Justiça Federal. O Movimento Curitiba Contra a Corrupção anuncia, pelo Facebook, que vai passar pelo Quartel da PM em Curitiba e acompanhar a chegada de Lula à cidade. Eles não confirmaram se também vão se deslocar até o entorno do prédio onde trabalha o juiz Sérgio Moro.

Há um cordão de isolamento em um raio de 150 metros da sede da Justiça Federal paranaense, montado ontem e reforçado por policiais desde o início do dia. O esquema de segurança só permite a entrada de moradores, comerciantes e profissionais da imprensa.

Lula e Dilma. Os dois ex-presidentes petistas chegam ainda nesta manhã, em horários não confirmados, a Curitiba. Lula viaja em voo fretado, enquanto Dilma deve chegar em voo comercial pelo Aeroporto Afonso Pena. Como ex-presidentes, ambos têm direito a desembarque especial, mas as assessorias não divulgaram se os políticos requisitaram o benefício.O ex-presidente Lula ficará hospedado no Hotel Bourbon, na região central de Curitiba.

Caravanas. Até o final da noite, a Polícia Rodoviária Federal contabilizou a chegada de 20 ônibus de manifestantes a Curitiba. Um novo balanço será divulgado nas próximas horas. Um grupo do MST teve materiais como facões apreendidos, que alegaram que seriam usados para cozinhar no acampamento. Todos os veículos que passam pelos acessos à cidade são abordados e fiscalizados.

Tensão. A PM diz não ter registrado qualquer tipo de conflito entre manifestantes até agora. Manifestantes acampados na Rodoferroviária, no entanto, afirmam que foram alvos de um grupo que lançou fogos de artifício. Testemunhas disseram que, por volta das 0h30 desta quarta-feira, cinco homens começaram a disparar rojões em direção às barracas onde dormiam os militantes. Os fogos danificaram ao menos quatro barracas, segundo o grupo. O militante Claudecir Maganha, de 25 anos, que veio do município de Quedas do Iguaçu, disse que estava dormindo na hora do ataque. “Uma bomba estourou perto da minha barraca. Por pouco não me feri”, disse ele, mostrando um furo na lona que teria sido causado por um explosivo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.