‘Manifestações como essas não são compatíveis com o cargo de Presidente da República’

‘Manifestações como essas não são compatíveis com o cargo de Presidente da República’

Seis entidades influentes de arquitetura e urbanismo lançaram nesta terça, 30, nota de apoio à OAB e ao seu presidente, Felipe Santa Cruz, depois que Bolsonaro falou sobre desaparecimento de seu pai, Fernando, no auge da repressão militar

Pepita Ortega

30 de julho de 2019 | 12h45

Jair Bolsonaro. Foto: Dida Sampaio / Estadão

Seis importantes entidades da Arquitetura e Urbanismo declararam nesta terça, 30, apoio à Ordem dos Advogados do Brasil e ao seu mandatário, Felipe Santa Cruz, depois que o presidente Jair Bolsonaro falou sobre o desaparecimento de seu pai, Fernando, no auge do regime de exceção, em fevereiro de 1974.

As declarações do presidente ‘atacam preceitos basilares do Estado Democrático de Direito e desrespeitam a memória das vítimas da ação violenta do Estado Brasileiro durante o período da ditadura militar”, dizem arquitetos e urbanistas, por meio de nota divulgada conjuntamente pelo Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas (FNA), Associação Brasileira de Ensino de Arquitetura (ABEA), Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura (AsBEA), Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas (ABAP) e Federação Nacional dos Estudantes de Arquitetura e Urbanismo (FENEA).

Na segunda, 29, Bolsonaro comentou a atuação do Conselho Federal da OAB, no episódio da tentativa de quebra do sigilo do advogado de Adélio Bispo, que o esfaqueou no dia 6 de setembro de 2018, em Juiz de Fora (MG). O presidente queixou-se da Ordem e apontou para o pai de Felipe. “Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, eu conto para ele. Ele não vai querer ouvir a verdade. Conto pra ele. Não é minha versão. É que a minha vivência me fez chegar a essas conclusões naquele momento. O pai dele integrou a Ação Popular, o grupo mais sanguinário e violento da guerrilha lá de Pernambuco e veio desaparecer no Rio de Janeiro.”

“Manifestações como essas não são compatíveis com o cargo de Presidente da República, o qual deve respeito à Constituição Federal e às instituições republicanas democraticamente constituídas”, pregam as entidades da Arquitetura e Urbanismo.

A nota segue. “As entidades profissionais têm papel fundamental para a independência e autonomia na prática profissional em prol do desenvolvimento, para o bem da sociedade.”

As seis entidades da Arquitetura e Urbanismo consideram que ‘ataques velados ou diretos a essas instituições, bem como a seus dirigentes, guardam intenções diversas, entre as quais desqualificar aquelas entidades que se posicionam de forma crítica e autônoma no cumprimento de suas missões institucionais e na defesa da sociedade’.

“Expressamos nossa solidariedade a todas as vítimas dos períodos de exceção a que foi submetido nosso país, desde aqueles que sofreram restrições de liberdade de atuação profissional e de cátedra, até aqueles torturados, ‘desaparecidos’ ou mortos.”

Arquitetos e urbanistas reiteram ‘compromisso com a democracia e os direitos humanos, entre eles os direitos políticos, sociais e civis, tal qual o direito à cidade justa e democrática’.

“Tais preceitos são imprescindíveis para, entre outros propósitos, o livre exercício das profissões em prol do desenvolvimento da Nação de forma republicana e democrática”, pregam os profissionais de arquitetura e urbanismo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.