Mandado de prisão do homem da mala sem algemas

Mandado de prisão do homem da mala sem algemas

Por ordem do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, o ex-deputado Rocha Loures e ex-assessor especial do presidente Temer foi preso sem algemas neste sábado, 3, por suspeita de recebimento de propinas da JBS

Fábio Serapião e Beatriz Bulla, de Brasília, e Julia Affonso

03 de junho de 2017 | 13h56

 

 

O homem da mala, ex-assessor especial do presidente Michel Temer, foi preso neste sábado, 3, por ordem do ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal. O mandado de prisão de Rodrigo Santos da Rocha Loures, ‘brasileiro, divorciado, administrador de empresas…’ foi cumprido pela Polícia Federal.

Fachin orientou discrição na ação policial que culminou com a captura de Loures, flagrado em abril correndo por uma rua dos Jardins, em São Paulo, carregando uma mala estufada de propinas da JBS – 10 mil notas de R$ 50, comando R$ 500 mil.

“O cumprimento do mandado deve ocorrer com a máxima discrição e com a menor ostensividade”, determinou o ministro.

“Deverá a autoridade policial responsável pelo cumprimento da medida tomar as cautelas apropriadas para preservar a imagem do preso, evitando qualquer exposição pública.”

“Não se tratando a pessoa em desfavor de quem se impõe a presente medida de indivíduo perigoso, no sentido físico, deve ser evitado o uso de algemas.”