Mais do que natural, diz Odebrecht sobre conversas com Dilma e Lula

Empreiteiro preso na Lava Jato foi questionado por deputado tucano da CPI da Petrobrás se havia tratado de Petrobrás e Odebrecht com a presidente e seu antecessor

Redação

01 de setembro de 2015 | 13h18

Marcelo Odebrecht presta depoimento à CPI. Foto: Ricardo Brandt/Estadão

Marcelo Odebrecht presta depoimento à CPI. Foto: Ricardo Brandt/Estadão

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Julia Affonso e Fausto Macedo

Reverenciado e adulado pela CPI da Petrobrás – tratamento não dispensado a nenhum outro empresário -, Marcelo Bahia Odebrecht, presidente da maior empreiteira do País, disse que ‘é natural’ que tenha falado sobre a estatal petrolífera com a presidente Dilma Rousseff  (PT) e com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O empreiteiro foi questionado pelo deputado Bruno Covas (PSDB-SP) se, em conversas com Dilma e Lula, havia tratado de questões referentes à Petrobrás e Odebrecht.

Delator é dedo-duro, diz Odebrecht

‘Parece que a República dobrava os joelhos à Odebrecht’, diz deputado

“É provável. Acho que se tratando da relação é provável. Obviamente que tudo conversa republicana. Isso aí é provável”, respondeu Odebrecht, alvo da Operação Lava Jato, preso desde 19 de junho em Curitiba, base da investigação sobre propina na Petrobrás. “É provável e mais do que natural.”

O parlamentar tucano insistiu se o empreiteiro havia conversado com Lula mesmo depois da saída do petista do Palácio do Planalto. “Veja bem, é provável e natural. Eu estou dizendo o seguinte se eu me encontro com… Acho que é difícil um empresário… Você está falando de duas das maiores empresas brasileiras que tem relação muito forte e transcende pelos setores. É provável que se eu encontrar com um amigo, um empresário, um político, qualquer um, venha à tona o tema Petrobrás ou o tema Odebrecht. É mais do que natural e provável que com qualquer pessoa esse tema venha. Não me lembro especificamente nenhuma conversa”, disse Odebrecht.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.