Mãe afirma que enfermeira fingiu aplicar vacina da covid-19 em seu filho de 11 anos; assista ao vídeo

Paola Dino, de 36 anos, postou nas redes nesta terça-feira, 25, que ao perceber o suposto engodo vendo as imagens questionou a equipe do posto médico de Taubaté, no Vale do Paraíba, interior de São Paulo, onde também teria sido vítima de preconceito por ser uma pessoa surda; Leia seu depoimento carregado de frustração à reportagem do Estadão

Jayanne Rodrigues

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.

Após a irregularidade, o garoto, de 11 anos, foi vacinado na mesma unidade de saúde. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Paola Dino, 36, aguardou quase dois anos para a vacinação dos dois filhos contra a covid-19. Animada por um retorno à normalidade das crianças, decidiu registrar o momento em que o mais velho, de 11 anos, recebeu a 1ª dose. “Hoje primeiro dia estava ansiosa para levar meus filhos no posto… A enfermeira foi lá aplicar a vacina e ela não apertou o êmbolo da vacina, não saiu líquido”, denuncia em post publicado nas redes sociais. O vídeo viralizou e o termo ‘vacina de vento’ está sendo propagado por pessoas na internet. O caso aconteceu nesta terça-feira, 25, em Taubaté, no Vale do Paraíba, a 130 quilômetros de São Paulo, na unidade de saúde do Jardim Mourisco. 

A mãe só conseguiu perceber a irregularidade após checar o vídeo ainda no local de vacinação. Quando foi questionar os funcionários do posto, ela afirma ter sido vítima de preconceito pelo fato de ser uma pessoa surda. “Eles não entendiam o que eu falava. Na verdade, lá nem tem acessibilidade. Tive que chamar minha mãe”, relatou em entrevista ao Estadão.

“Antes ele estava animado para tomar a primeira dose, ia gravar um vídeo em libras, depois tomou um susto”, conta. Somente após a chegada da mãe de Paola, o garoto foi vacinado. “Agora graça a Deus já está resolvido. Meu filho já tomou a vacina. Vontade de chorar”, disse em publicação. 

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O desabafo gerou indignação nas redes, uma das seguidoras de Paola escreveu: “Estamos fazendo nossa parte de levar nossos filhos para se proteger e eles fazem isso. Ainda bem que estava filmando!! Tem que denunciar mesmo. Te apoio!!!”

Indicada pela OMS e pelos demais órgãos de saúde, a vacinação contra a covid-19 para crianças entre 5 e 11 anos começou no País no dia 13 de janeiro. 

COM A PALAVRA, PREFEITURA DE TAUBATÉ

“A Prefeitura de Taubaté esclarece que, antes de iniciar a campanha para esta faixa etária, toda equipe de enfermagem das 7 unidades envolvidas na vacinação das crianças recebeu orientação, de maneira pessoal e por escrito, sobre os procedimentos técnicos para aplicação da vacina. Ressaltamos que esta estratégia é rotina a cada alteração da grade vacinal atendida, para fins de reforçar todos os cuidados necessários.

Informamos, ainda, que esta situação foi pontual e estamos tomando providências administrativas sobre o caso. Vale salientar que a criança não saiu da unidade sem a vacina, ela recebeu a dose no momento em que foi constatada a falha.

A administração municipal reforça que a vacinação é segura e que a enfermagem trabalha sempre em equipes nas salas de vacina. Taubaté está com índice alto de vacinação, e apesar do número de casos estar crescendo em todo país, houve uma diminuição no número de óbitos e casos graves, reforçando que a estratégia de vacinação está sendo eficaz.”

Após a irregularidade, o garoto, de 11 anos, foi vacinado na mesma unidade de saúde. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Paola Dino, 36, aguardou quase dois anos para a vacinação dos dois filhos contra a covid-19. Animada por um retorno à normalidade das crianças, decidiu registrar o momento em que o mais velho, de 11 anos, recebeu a 1ª dose. “Hoje primeiro dia estava ansiosa para levar meus filhos no posto… A enfermeira foi lá aplicar a vacina e ela não apertou o êmbolo da vacina, não saiu líquido”, denuncia em post publicado nas redes sociais. O vídeo viralizou e o termo ‘vacina de vento’ está sendo propagado por pessoas na internet. O caso aconteceu nesta terça-feira, 25, em Taubaté, no Vale do Paraíba, a 130 quilômetros de São Paulo, na unidade de saúde do Jardim Mourisco. 

A mãe só conseguiu perceber a irregularidade após checar o vídeo ainda no local de vacinação. Quando foi questionar os funcionários do posto, ela afirma ter sido vítima de preconceito pelo fato de ser uma pessoa surda. “Eles não entendiam o que eu falava. Na verdade, lá nem tem acessibilidade. Tive que chamar minha mãe”, relatou em entrevista ao Estadão.

“Antes ele estava animado para tomar a primeira dose, ia gravar um vídeo em libras, depois tomou um susto”, conta. Somente após a chegada da mãe de Paola, o garoto foi vacinado. “Agora graça a Deus já está resolvido. Meu filho já tomou a vacina. Vontade de chorar”, disse em publicação. 

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O desabafo gerou indignação nas redes, uma das seguidoras de Paola escreveu: “Estamos fazendo nossa parte de levar nossos filhos para se proteger e eles fazem isso. Ainda bem que estava filmando!! Tem que denunciar mesmo. Te apoio!!!”

Indicada pela OMS e pelos demais órgãos de saúde, a vacinação contra a covid-19 para crianças entre 5 e 11 anos começou no País no dia 13 de janeiro. 

COM A PALAVRA, PREFEITURA DE TAUBATÉ

“A Prefeitura de Taubaté esclarece que, antes de iniciar a campanha para esta faixa etária, toda equipe de enfermagem das 7 unidades envolvidas na vacinação das crianças recebeu orientação, de maneira pessoal e por escrito, sobre os procedimentos técnicos para aplicação da vacina. Ressaltamos que esta estratégia é rotina a cada alteração da grade vacinal atendida, para fins de reforçar todos os cuidados necessários.

Informamos, ainda, que esta situação foi pontual e estamos tomando providências administrativas sobre o caso. Vale salientar que a criança não saiu da unidade sem a vacina, ela recebeu a dose no momento em que foi constatada a falha.

A administração municipal reforça que a vacinação é segura e que a enfermagem trabalha sempre em equipes nas salas de vacina. Taubaté está com índice alto de vacinação, e apesar do número de casos estar crescendo em todo país, houve uma diminuição no número de óbitos e casos graves, reforçando que a estratégia de vacinação está sendo eficaz.”

Encontrou algum erro? Entre em contato