Lula quer prisão domiciliar caso STF negue pedido de liberdade

Lula quer prisão domiciliar caso STF negue pedido de liberdade

Às vésperas de julgamento na Segunda Turma, defesa do petista enviou novos requerimentos em memorial

Rafael Moraes Moura e Amanda Pupo/BRASÍLIA

21 Junho 2018 | 21h03

FOTO FELIPE RAU/ESTADÃO

BRASÍLIA – Às vésperas do julgamento sobre a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a defesa do petista entregou nesta semana um memorial aos cinco ministros da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), acrescentando mais pedidos para serem analisados pelo colegiado – como o de substituir a prisão do petista por medidas alternativas, como a prisão domiciliar, caso o pedido de liberdade não seja aceito.

A discussão do caso está pautada para a sessão da próxima terça-feira (26) da Segunda Turma, colegiado composto pelos ministros Edson Fachin, Celso de Mello, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Dias Toffoli.

Lula foi condenado em segunda instância a 12 anos e um mês pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex no Guarujá.

A defesa do ex-presidente, preso há mais de dois meses, entrou no início deste mês com um novo pedido de liberdade no STF e Superior Tribunal de Justiça (STJ). A petição é para que as Cortes suspendam os efeitos da condenação no caso do triplex no Guarujá até que julguem no mérito os recursos extraordinário (analisado no STF) e especial (do STJ).

Segundo o Estado apurou, o memorial entregue aos ministros da Segunda reforça o pedido para suspender os efeitos da condenação e interromper a “execução prematura da condenação” de Lula.

Caso não seja aceito o pedido de liberdade, a defesa do petista pede então para ser reconhecido “o flagrante excesso na fixação da pena, modificar o regime de cumprimento ou submetê-lo a medidas cautelares distintas da prisão”.

INTIMIDAÇÃO. Presidente da Segunda Turma do STF, o ministro Ricardo Lewandowski aproveitou a sessão plenária desta quinta-feira para negar a notícia de que seria realizada, por sua determinação, uma sessão secreta para o julgamento do pedido de liberdade de Lula.

O ministro leu o conteúdo da notícia no plenário, referindo-se a ela como “fake news”. Lewandowski disse que as notícias falsas não o intimidam e reforçam sua “firme intenção de cumprir a Constituição e as leis do País”.

“Quero aproveitar a oportunidade para desmentir categoricamente essa fake news e dizer que as nossas sessões da Segunda Turma são públicas, e o acesso à imprensa é absolutamente franqueado, sem nenhuma restrição”, destacou Lewandowski, que disse ter recebido a notícia falsa através de mídias sociais.

COM A PALAVRA, A DEFESA DE LULA

“O ex-presidente Lula está pedindo nos recursos dirigidos aos Tribunais Superiores o restabelecimento de sua liberdade plena porque ele jamais praticou qualquer ato ilícito. A condenação imposta ao ex-presidente pelo juiz Sérgio Moro e pelo TRF4 afronta a Constituição Federal e a lei. A defesa de Lula não apresentou ao STF ou a qualquer outro Tribunal pedido de prisão domiciliar.

A defesa de Lula pedirá amanhã (22/6) à Vice-Presidência do TRF4 que não pratique qualquer ato que possa configurar tratamento diferenciado ou que possa prejudicar o julgamento que o STF fará na próxima terça-feira (26/6).”

Cristiano Zanin Martins