Lula não acerta dívida de mais de R$ 30 mi com a Lava Jato e é advertido por juíza

Lula não acerta dívida de mais de R$ 30 mi com a Lava Jato e é advertido por juíza

Próximo de completar um ano de prisão, ex-presidente é intimado por Carolina Lebbos Moura sobre falta de quitação ou parcelamento de valores cobrados por condenação no caso triplex e riscos para sua progressão de pena

Ricardo Brandt

29 de janeiro de 2019 | 14h00

Próximo de completar um ano de prisão, Luiz Inácio Lula da Silva ainda não quitou ou propôs parcelamento de sua dívida com a Justiça Federal, pela condenação na Operação Lava Jato no caso triplex do Guarujá. São mais de R$ 30 milhões de multa e reparação de danos. O ex-presidente foi intimado pela Polícia Federal da “advertência” dada pela juíza federal Carolina Lebbos Moura – responsável pelo processo de execução da pena – sobre as consequências de sua inadimplência.

“O pagamento da reparação do dano, da pena pecuniária e das custas processuais, a par de ser dever do apenado, evidencia o senso de responsabilidade e comprometimento com a execução penal”, escreveu a juíza, em despacho da sexta-feira, 25.

Documento

A magistrada registra que Lula “foi pessoalmente intimado para realizar o pagamento ou formular, justificadamente, pedido de parcelamento da pena de multa, da reparação dos danos e das custas processuais”, em 3 de setembro de 2018. Por meio de sua defesa, Lula recorreu alegando que a cobrança era indevida, mas o argumento não foi aceito.

“Permaneceu inerte”, diz a juíza no novo despacho.

O valor cobrado é resultado de sua condenação em segunda instância, em janeiro de 2018, por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, por receber propinas da OAS em contratos da Petrobrás. Pessoalmente, recebeu R$ 1 milhão em obras e benfeitorias no apartamento triplex do Guarujá (SP).

Na ordem de execução provisória da pena, foi calculado o valor a ser pago pelo ex-presidente – quantia que é corrigida mensalmente. Em cálculo feito em agosto de 2018, eram R$ 28 milhões de reparação de danos/ressarcimento e R$ 1,2 milhão de multa e custas.

Documento

“Conforme já consignado na decisão de evento 303, consoante entendimento atual do Supremo Tribunal Federal (EP12-AgR), o inadimplemento injustificado da pena de multa impede a progressão de regime prisional. Na mesma linha, a ausência de reparação dos danos causados obsta a progressão de regime”, escreveu a juíza.

“Já está o executado advertido.”

Pena. Preso desde 7 de abril de 2018, após condenação em definitivo em segundo grau, Lula está em uma cela especial na sede da Polícia Federal em Curitiba – o berço da Lava Jato.

No mesmo despacho de sexta-feira, em que adverte Lula sobre os riscos da inadimplência, a juíza substituta da 12.ª Vara Federal de Curitiba endureceu as regras de visita para o condenado. Além de determinar que Fernando Haddad, o candidato derrotado do PT à Presidência, deixe de visitar a cela todos os dias da semana como advogado do petista, cortou as visitas de religiosos permitidas todas as segundas-feiras.

Lula está condenado a 12 anos e um mês de prisão no processo do tripleX do Guarujá. O ex-presidente também está prestes a ser sentenciado em outras duas ações penais em Curitiba: a do sítio de Atibaia e a do terreno do Instituto Lula.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.