Lula insiste para que Planalto informe sobre suas ’84 missões empresariais’

Lula insiste para que Planalto informe sobre suas ’84 missões empresariais’

Em nova petição ao juiz Sérgio Moro advogados do ex-presidente reiteram conjunto de 16 solicitações em resposta à ação penal do caso triplex em que é acusado de receber R$ 3,7 milhões em propinas da empreiteira OAS

Mateus Coutinho e Julia Affonso

15 de novembro de 2016 | 05h00

Lula. Foto: Marcio Fernandes/Estadão

Lula. Foto: Marcio Fernandes/Estadão

Alegando que não precisa ‘antecipar sua estratégia’, a defesa do ex-presidente Lula reiterou nesta segunda-feira, 14, ao juiz Sérgio Moro o pedido para que a Presidência da República encaminhe à Justiça Federal as informações sobre as ’84 missões empresariais’ realizadas pelo petista no período em que ocupou o Palácio do Planalto, de 2003 a 2010.

Documento

O pedido faz parte de um conjunto de 16 solicitações que a defesa de Lula já havia feito no mês passado em resposta na ação penal em que é acusado de receber R$ 3,7 milhões em propinas da empreiteira OAS entre 2006 e 2012 relativas ao esquema de corrupção na Petrobrás.

Diante do volume de pedidos, o juiz da Lava Jato havia solicitado que a defesa do ex-presidente esclarecesse melhor a necessidade do material.

“Frise-se ao afirmar que tais missões não constituem objeto da denúncia, desconsiderou que a peça acusatória afirma— de forma leviana, registre-se, que os dois mandatos presidenciais do primeiro peticionário constituiu em uma perpetuação criminosa no poder (…) Inegável, portanto, que o pleito possui estreita ligação com o objeto da denúncia”, assinalam os defensores do petista, que é réu também na Justiça Federal em Brasília acusado de organização criminosa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e tráfico de influência internacional em favor da Odebrecht em Angola.

Os advogados de Lula pediram novamente ainda que seja requisitado ao Congresso a relação de todos os projetos de lei da Presidência durante as gestões do petista, bem como as emendas apresentadas e o quórum de votação. Também solicitaram todos os procedimentos de tomadas de contas e de auditorias do Tribunal de Contas da União envolvendo a Petrobrás entre 2003 e 16 de janeiro de 2016.

O principal argumento para reiterar todos os pedidos é o de que não cabe à defesa antecipar sua estratégia. Diante disso, alegam os defensores do petista, o motivo para as solicitações será esclarecido ao longo do processo contra o ex-presidente, que responde ainda a uma ação penal em Brasília acusado de agir para tentar obstruir a delação premiada do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró.

Triplex. As acusações contra Lula, ora sob crivo do juiz Moro, são relativas ao suposto recebimento de vantagens ilícitas da empreiteira OAS por meio de um triplex no Guarujá, no litoral de São Paulo, e do armazenamento de bens do acervo presidencial, mantidos pela empresa Granero de 2011 a 2016.

Notícias relacionadas

Tudo o que sabemos sobre:

Lulaoperação Lava JatoSérgio Moro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.