Anexo 4: Lula e Palocci na compra do silêncio de Marcos Valério no Mensalão, segundo Delcídio

Anexo 4: Lula e Palocci na compra do silêncio de Marcos Valério no Mensalão, segundo Delcídio

Fausto Macedo, Julia Affonso, Ricardo Brandt e Mateus Coutinho

15 de março de 2016 | 12h55

anexo-4

 

Documento

COM A PALAVRA, O EX-MINISTRO ANTONIO PALOCCI:

Antonio Palocci vem a público para desmentir e repudiar, com veemência e indignação, as falsas informações contidas nos termos da delação premiada do senador Delcídio do Amaral, quanto aos fatos envolvendo sua pessoa.

Esclarece que não teve qualquer participação, lícita ou ilícita, na formatação dos consórcios para a execução das obras da Usina de Belo Monte. Na época não ocupava qualquer cargo no poder executivo e jamais teve qualquer influência ou interferência sobre uma única decisão sequer do processo em questão.

Rechaça, terminantemente, as insinuações relativas à CPMI dos Correios, na tentativa de obter o silêncio de quem quer que seja.

Reafirma mais uma vez que não atuou na área de arrecadação financeira da campanha presidencial de 2010 ou de outros períodos.

Ressalta que não recebeu nenhuma indicação ou solicitação do ex ministro Pedro Malan sobre diretorias da Petrobrás. Por fim, atribui essas invencionices e inverdades ao desespero do delator para se ver livre do constrangimento e do sofrimento que se via imposto.

Tudo o que sabemos sobre:

Antonio PalocciDelcídioLula

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.