Lula diz que ‘palavra final’ da indicação de diretores à Petrobrás é da Presidência

Lula diz que ‘palavra final’ da indicação de diretores à Petrobrás é da Presidência

Ex-presidente afirmou em audiência da Lava Jato que nomeações passavam por 'ministérios' e vinham, normalmente, 'dos partidos da base aliada no Congresso'admitiu

Luiz Vassallo, Julia Affonso, Bruno Ribeiro e Ricardo Brandt

10 de maio de 2017 | 23h01

Lula. Foto: Reprodução

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitiu que a ‘palavra final’ – termo sugerido pelo Juiz Sérgio Moro – sobre indicações na Petrobrás é da Presidência da República, em depoimento no âmbito de ação em que é réu acusado de receber propinas de R$ 3,7 milhões da OAS. Ao magistrado, Lula, no entanto, ponderou que as nomeações passavam por ministérios, inclusive investigações sobre antecedentes dos pretendentes aos cargos, e que vinham, usualmente, dos partidos da base aliada no Congresso.

Durante o interrogatório, ao tratar sobre a parte da denúncia em que o MPF narra o suposto ‘comando’ dos esquemas na Petrobrás por parte de Lula, o juiz federal Sérgio Moro fez uma série de perguntas sobre o conhecimento que o petista tinha sobre as indicações de diretores à Petrobrás e a respeito dos crimes cometidos contra a estatal.

O ex-presidente negou ter conhecimento dos ilícitos e relação próxima com as indicações políticas na petrolífera. Ele atribuiu aos partidos políticos, bancadas partidárias, e aos ministros a função de indicar nomes, mas admitiu que tinha a ‘palavra final’, já que, se fosse o contrário ‘não precisaria ter presidente’.

“Os diretores da Petrobrás são indicados pelas bancadas e partidos, em acordo com os ministros da área. Isso vai para o gabinete institucional, que faz uma investigação para saber se as pessoas tem algum compromisso, são corruptas, ou se tem passagem pela polícia. O GSI comunica a casa civil, a casa civil passa pela presidência e isso é enviado ao conselho de administração no caso da Petrobrás, para poder indicar as pessoas. E agora, o ministério público poderia fazer um pique para ver como o Temer montou o governo dele”.

O ex-presidente também negou ter relação direta com os diretores da Petrobrás.

“A gente [os presidentes da República] não tem reunião com a diretoria da Petrobrás. Eu fui em dois momentos: Para decidir que não ia fazer leilão do pré-sal e para discutir plano estratégico. Você não tem reunião específica com diretor.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.