Lula diz a Moro desconhecer participação de Cunha em nomeação na Petrobrás

Lula diz a Moro desconhecer participação de Cunha em nomeação na Petrobrás

Ex-presidente prestou depoimento por videoconferência, de São Bernardo do Campo (SP), ao juiz da Lava Jato e esteve 'frente a frente' com o magistrado pela primeira vez

Julia Affonso, Mateus Coutinho, Ricardo Brandt e Fausto Macedo

30 de novembro de 2016 | 18h19

Lula é investigado na Lava Jato. Foto: Andre Penner/AP

Lula é investigado na Lava Jato. Foto: Andre Penner/AP

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quarta-feira, 30, desconhecer a suposta participação do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na nomeação do engenheiro Jorge Zelada para a diretoria Internacional da Petrobrás e na compra do campo de petróleo de Benin, na África. Lula prestou depoimento como testemunha de defesa do peemedebista.

Este foi a primeira vez que Lula e Sérgio Moro estiveram ‘frente a frente’. O petista falou por videoconferência, em São Bernardo do Campo (SP), ao magistrado, em Curitiba.

O ex-presidente respondeu a perguntas da defesa de Eduardo Cunha e do Ministério Público Federal. O juiz federal Sérgio Moro não fez nenhum questionamento.

Em audiência anterior a de Lula, quem falou foi seu amigo José Carlos Bumlai. O pecuarista afirmou não saber responder às perguntas submetidas a ele.

Eduardo Cunha foi preso preventivamente por ordem do juiz federal Sérgio Moro em 19 de outubro, em Brasília.

O peemedebista arrolou Lula como uma de suas testemunhas na ação penal que responde perante a 13ª Vara Federal, de Curitiba, sob tutela do juiz Moro. Na lista de testemunhas também está o presidente Michel Temer (PMDB), que responderá por escrito questionamentos feitos por Eduardo Cunha.

A nomeação de Jorge Zelada para a Diretoria Internacional da Petrobrás foi alvo das perguntas de Eduardo Cunha a Michel Temer.

O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha é acusado de ter solicitado e recebido, entre 2010 e 2011, no exercício de sua função como parlamentar e em razão dela, vantagem indevida, relacionada à aquisição, pela Petrobrás de um campo de petróleo em Benin. O ex-presidente da Câmara é acusado de corrupção, lavagem de dinheiro, evasão fraudulenta de divisas pela manutenção de contas secretas na Suíça que teriam recebido propina do esquema na Petrobrás.

A ação já havia sido aberta pelo Supremo Tribunal Federal em junho. O processo foi remetido para a primeira instância em Curitiba, pois Cunha perdeu foro privilegiado desde que foi cassado pela Câmara, por 450 votos a 10, no dia 12 de setembro. Com isso, o Supremo remeteu esta ação contra o peemedebista para a Justiça Federal em Curitiba, sede da Lava Jato.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoLulaEduardo Cunha

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.