Lula confirma amizade com Bumlai e diz que empresário preso já se hospedou na Granja do Torto

Lula confirma amizade com Bumlai e diz que empresário preso já se hospedou na Granja do Torto

Ex-presidente contou à Polícia Federal que 'não sabe precisar quantas vezes' o pecuarista, alvo da Lava Jato, se hospedou na residência oficial da Presidência durante sua gestão

Beatriz Bulla, Gustavo Aguiar e Julia Affonso

18 de dezembro de 2015 | 22h06

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou em depoimento à Polícia Federal na quarta-feira, 16, sua relação de amizade com o pecuarista José Carlos Bumlai, preso em na Operação Lava Jato. No depoimento, colhido nesta semana, Lula disse que recebeu o empresário em Brasília e que “não sabe precisar quantas vezes” o pecuarista se hospedou na Granja do Torto, uma das residências oficiais da Presidência da República.

Conforme revelou o Estadão nesta sexta-feira, antes de o depoimento se tornar público, os investigadores fizeram diversos questionamentos a Lula sobre suas relações com Bumlai. O empresário, preso em Curitiba, confessou ter tomado, em seu nome, empréstimo de R$ 12 milhões no banco Schahin para o caixa 2 do PT – o valor nunca foi pago.

depoimentolulabumlai

No depoimento, Lula afirma que conheceu Bumlai na campanha para as eleições presidenciais de 2002, quando gravou um programa eleitoral sobre agricultura em uma fazenda do empresário. O ex-presidente disse que não falou com Bumlai sobre empréstimo em benefício do PT e que “jamais tratou sobre dinheiro ou valores” sobre o empresário ou realizou qualquer transação financeira.

[veja_tambem]

O ex-presidente disse que Bumlai “nunca pediu qualquer cargo” e nega ter tratado com o empresário sobre as indicações dos ex-diretores Néstor Cerveró ou Jorge Zelada para a Petrobrás. O petista diz achar que “todos os seus filhos e noras” possuem relação de amizade com Bumlai. Ao listar o nome dos familiares, o ex-presidente afirma que não recorda os nomes completos de todas as noras.

Ele afirmou que conheceu um integrante da família Schahin e reconheceu, após os investigadores mostrarem uma foto, o empresário Salim Schahin.Em delação premiada, Salim Schahin, um dos donos do Grupo Schahin, disse que Bumlai levou o então tesoureiro do PT Delúbio Soares em reunião na sede da empresa durante as tratativas para o empréstimo. Segundo Schahin, todo negócio estaria “abençoado” pelo ex-presidente da República.

No depoimento à PF, Lula afirmou que esteve em reuniões do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social com Schahin, mas nunca reservadamente. “Que não tomou conhecimento da realização de empréstimos em benefício do PT realizados através de terceiros; que nunca solicitou a Delúbio Soares a realização de empréstimos em benefício do PT”, consta no depoimento de Lula.

O ex-presidente foi ouvido na última quarta-feira, na condição de “informante”, em inquérito que tramita no Supremo para apurar suposta formação de quadrilha por políticos de PP, PT e PMDB para desviar recursos da Petrobrás. O teor do depoimento foi tornado público nesta sexta-feira, 18, após ser juntado ao inquérito do Supremo

Tudo o que sabemos sobre:

BumlaiLulaoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.