Lula condenado pode disputar eleições?

Lula condenado pode disputar eleições?

Veja o que vai acontecer com o ex-presidente condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro na ação penal do caso triplex

Luiz Vassallo, Julia Affonso e Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

12 de julho de 2017 | 18h15

Foto: Dida Sampaio

O ex-presidente Lula foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão na Operação Lava Jato por corrupção passiva e lavagem de propinas da OAS. Ao aplicar a sentença histórica, o juiz federal Sérgio Moro não mandou prender Lula, sob argumento de ‘prudência’ e necessidade de ‘evitar certos traumas’.

Documento

O que pode acontecer, agora, com Lula? Ele pode se candidatar às eleições presidenciais em 2018? Por que?

LULA PODE DISPUTAR ELEIÇÕES?

Na sentença que condenou Lula, o juiz federal Sérgio Moro impôs ao petista uma pena acessória – o ex-presidente não poderá exercer cargo ou função pública, o que inclui a Presidência da República. Para especialistas ouvidos pelo Estado a cassação deste direito em caso de condenação criminal não tem efeito imediato, na primeira instância. Usualmente, segundo advogados da área de Direito Eleitoral, a provável apelação da defesa de Lula terá efeito suspensivo. Se o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, colegiado que julga os recursos contra decisões de Moro, mantiver a sentença, aí sim Lula poderá ficar inelegível, avaliam especialistas em Direito Eleitoral ao Estadão.

POR QUE MORO NÃO PRENDEU LULA?

Na decisão que condenou Lula, o juiz da Lava Jato afirmou que a prisão cautelar de um ex-presidente da República ‘não deixa de envolver certos traumas’. O magistrado afirmou ser mais ‘prudente’ aguardar que o as consequências da condenação de Lula só sejam aplicadas caso a sentença se confirme na segunda instância. Com este argumento, o juiz da Lava Jato deu a Lula o direito de responder pelo processo em liberdade.

QUAL É O FIM DO TRIPLEX E DAS ‘TRALHAS DO PRESIDENTE’?

Moro confiscou o apartamento 164-A, no Condomínio Solaris, no Guarujá, e o imóvel não poderá mais ser considerado pela OAS como garantia em processos cíveis, como a recuperação judicial da construtora, que tramita na Justiça Estadual de São Paulo. O magistrado justifica a medida por considerar que o triplex é fruto de corrupção e lavagem de dinheiro. Como foi absolvido da acusação de lavagem de dinheiro ao aceitar da OAS o custeamento dos bens acumulados enquanto ocupou a presidência, Lula poderá ter novamente acesso aos itens, antes apreendidos por decisão judicial. Eles estão lacrados e depositados junto ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

POR QUAIS CRIMES LULA FOI CONDENADO?

O ex-presidente foi condenado por corrupção e lavagem de R$ 2,25 milhões. Segundo a sentença de Moro, Lula aceitou para si o triplex no condomínio Solaris, no Guarujá, e as respectivas reformas da OAS. O crime de corrupção se deve ao fato de o juiz federal entender que os valores são oriundos de um caixa de propinas da construtora abastecido por dinheiro desviado de contratos da Petrobrás supostamente direcionado ao PT. O magistrado considera que o presidente cometeu o delito de lavagem de dinheiro porque teria ocultado e dissimulado a titularidade do apartamento, que estaria em nome da OAS mas, ao ver do juiz, era direcionado ao ex-presidente como forma de propinas.

DE QUAIS ACUSAÇÕES LULA SE LIVROU?

O juiz federal Sérgio Moro considerou insuficientes as provas que embasavam a acusação de que Lula teria cometido lavagem de dinheiro e corrupção passiva ao aceitar para si o armazenamento de seus bens acumulados à época em que ocupava à época em que foi presidente da República custeado pela OAS em contrato com a empresa Granero. O magistrado entendeu que as próprias declarações do ex-presidente da construtora, Léo Pinheiro, que afirmou, em depoimento, que o pagamento tinha como objetivo o ‘estreitamento de laços’, ‘não bastaram para caracterizar corrupção, uma vez que não envolveu pagamento em decorrência do cargo presidencial ou de acertos envolvendo contratos públicos’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: