Lula chama Renan como sua testemunha em processo por obstrução de Justiça

Lula chama Renan como sua testemunha em processo por obstrução de Justiça

O rol de 13 testemunhas, com deputados e outros senadores, consta da defesa de Lula no processo aberto pela 10ª Vara da Justiça Federal

Fausto Macedo, Julia Affonso e Ricardo Brandt

06 de setembro de 2016 | 15h56

BRASÍLIA/DF 30/06/2015 POLITICA / RENAN / LULA / REUNIÃO / CONJUNTURA POLÍTICA / O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou há pouco na residência oficial do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), em Brasília, onde realiza reunião de avaliação da conjuntura política. Além de Calheiros, participam do encontro o ex-presidente e ex-senador José Sarney (PMDB-AP) e os senadores Romero Jucá (PMDB-RR), Eunício Oliveira (PMDB-CE), Jorge Viana (PT-AC) e Delcídio Amaral (PT-MS). O ex-presidente petista chegou acompanhado de Paulo Okamotto, diretor do instituto Lula. FOTO DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Renan Calheiros (à esq.) e Lula. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva arrolou o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), como sua testemunha de defesa em ação penal que responde em Brasília, por obstrução de Justiça. O rol de 13 testemunhas, com deputados e outros senadores, consta da defesa de Lula no processo aberto pela 10ª Vara da Justiça Federal.

Lula é acusado de participar de uma trama para comprar o silêncio do ex-diretor da área Internacional da Petrobrás Nestor Cerveró, que fechou acordo de delação premiada. Também são réus o ex-senador Delcídio Amaral e outros cinco acusados pelo Ministério Público por tentativa de obstruir a Operação Lava Jato: o advogado Edson de Siqueira Ribeiro Filho, o ex-assessor de Delcídio Diogo Ferreira Rodrigues, o banqueiro André Santos Esteves, o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula, e o filho de Bumlai, Maurício.

Documento

A petição é subscrita por sete advogados – Roberto Teixeira, Cristiano Zanin Martins, José Roberto Batochio, Juarez Cirino dos Santos, Rodrigo Azevedo Ferrão, Érica do Amaral Matos e William Albuquerque S. Faria.

No documento, a defesa de Lula sustenta que a acusação de obstrução de Justiça é uma ‘projeção psíquica de hipóteses idiossincráticas verdadeiramente delirantes, existentes exclusivamente na imaginação punitiva dos agentes da persecução penal, cujo completo divórcio dos fatos concretos e da prova já arrecadada será demonstrado na instrução criminal’.

Os advogados do ex-presidente pedem que ‘o despacho que recebeu a denúncia nulificado porque houve cerceamento de defesa e não observação ao Princípio da Isonomia quando este Juízo indeferiu o
pedido para apresentação de resposta preliminar antes de
apreciação da denúncia; inexiste qualquer fundamentação na decisão de recepção infringida a norma constitucional entabulada no
artigo 93, inciso IX, da Constituição Federal’.

1) José Renan Vasconcelos Calheiros, Senador da República
2) Malu Gaspar, redação da Revista Piauí
3) Claudia Troiano, secretária
4) Valmir Moraes da Silva, 1º Tenente do Exército
5) Luiz Paulo Teixeira Ferreira, Deputado Federal (PT-SP)
6) Wadih Nemer Damous Filho, Deputado Federal (PT-RJ)
7) José Mentor Guilherme de Mello Netto, Deputado Federal (PT-SP)
8) Jandira Feghali, Deputada Federal (PC do B-RJ)
9) Vanessa Grazziotin, Senadora da República (PC do B-AM)
10) Ricardo Silva do Santos, 2º Sargento do Exército
11) Edson Antônio Moura Pinto, Subtenente do Exército
12) Carlos Eduardo Rodrigues Filho, Subtenente do Exército
13) Paulo Tarciso Okamotto, administrador e ex-presidente do Instituo Lula

Tudo o que sabemos sobre:

Lulaoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.