Loja no Rio é condenada a pagar indenização porque não montou mobília de mulher que vive em área de tiroteios

Loja no Rio é condenada a pagar indenização porque não montou mobília de mulher que vive em área de tiroteios

Mulher afirma que houve atraso na entrega dos produtos e que não foi avisada sobre regiões que não são cobertas por serviço de montagem

Samuel Costa

15 de fevereiro de 2021 | 08h12

tiroteio_wilton_junior_estadao

Imagem meramente ilustrativa. Foto: Wilton Júnior/Estadão

A 27ª Câmara Cível, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, condenou a Bel Air a indenizar uma cliente por não ter montado os seus móveis. A loja alegou que no dia em que seus funcionários foram à residência da mulher, em Campo Grande, na zona oeste da capital fluminense, acontecia um tiroteio no local, o que teria inviabilizado a execução do serviço. O Tribunal, no entanto, considerou que ao não oferecer uma alternativa para a solução do problema, a empresa foi negligente. O colegiado, então, firmou indenização de R$ 3 mil por danos morais. 

Documento

O caso ocorreu em julho de 2018. A consumidora narra que acordou com a loja que os produtos seriam entregues no dia seguinte à compra, porém, ela só os recebeu passados 45 dias. Ela relata ainda que foi informada pelos entregadores, que os profissionais responsáveis pela instalação dos móveis compareceriam à sua casa no dia seguinte. Mas isso nunca aconteceu. A empresa, por sua vez, argumentou que quando sua equipe chegou ao local teria se deparado com uma troca de tiros. Segundo a loja, a consumidora foi contatada na ocasião para que fosse ao encontro dos montadores para guiá-los até a sua residência, o que ela teria negado. 

A juíza Maria Luiza de Freitas Carvalho considerou que o incidente foge ao controle da loja de móveis, mas ponderou que a cliente deveria ter sido avisada, no ato da compra, que situações de risco poderiam anular a prestação do serviço. Além disso, a magistrada acrescentou que houve ‘descaso’ por parte da loja ao não apresentar nenhuma solução para o impasse. “O dano moral decorre da falha do dever de informação e do não atendimento pronto e eficiente à consumidora, fato que supera o trivial aborrecimento, por não ter sido dada a atenção e solução devidas ao problema que a apelada enfrentou ante a não instalação dos móveis”, escreveu. 

COM A PALAVRA, A BEL AIR

Inicialmente, a empresa lamenta qualquer dissabor experimentado por sua cliente. A Bel Air preza pelo bom atendimento e se esforça ao máximo para garantir a plena satisfação dos clientes pelos bens adquiridos em suas lojas.

Destaca-se que a Bel Air realiza serviço de entrega e montagem em todo o território do Estado do Rio de Janeiro, sem qualquer tipo de distinção de bairro.

Os produtos foram devidamente entregues na residência da cliente em questão. Fato muito importante, pois corrobora que a empresa efetua seus serviços em todos os bairros, sem qualquer tipo de distinção.

Em relação à situação questionada, o que ocorreu nesse caso é que, no MOMENTO em que estava chegando ao local, o montador foi impedido de prosseguir para a residência da cliente por estar ocorrendo um conflito armado.

A empresa tentou realizar a montagem do produto da cliente em outras 04 (quatro) oportunidades, mas não logrou êxito, posto que os conflitos armados continuaram por semanas.

No mais, visando não prolongar a insatisfação de sua cliente, a Bel Air decidiu não ingressar com mais nenhum tipo de recurso. Desse modo, a empresa irá respeitar o V.Acórdão do processo em questão e irá adotar imediatamente medidas internas para atender plenamente a fundamentação da decisão judicial em casos futuros.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.