Lobista do PMDB fez empréstimo de R$ 250 mil a alvo da Zelotes, diz Lava Jato

Lobista do PMDB fez empréstimo de R$ 250 mil a alvo da Zelotes, diz Lava Jato

Quebra de sigilo apontou que João Henriques, preso desde segunda-feira, 21, repassou R$ 250 mil a Valmir Sandri, em 2012; dinheiro foi pago no ano seguinte, indica investigação

Redação

25 de setembro de 2015 | 17h44

valmir-sandri-parecer-mpf

Por Julia Affonso, Mateus Coutinho, Fabio Fabrini e Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

A quebra de sigilo da empresa Trend Empreendimentos revelou que seu controlador, o empresário João Henriques, apontado como lobista do PMDB, fez um empréstimo de R$ 250 mil a um alvo da Operação Zelotes. Valmir Sandri é investigado por suspeita de fraudes no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf).

João Henriques foi preso na segunda-feira, 21, na 19ª fase da Operação Lava Jato. O lobista é suspeito de pagamento de propina na Diretoria Internacional da Petrobrás.

Deflagrada em abril deste ano pelo Ministério Público Federal e a Polícia Federal, a Operação Zelotes apura um esquema de corrupção e tráfico de influência no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), espécie de “tribunal” que avalia débitos de grandes contribuintes com a Receita Federal.

“As informações fiscais da Receita Federal destacam também o empréstimo feito em 5 de julho de 2012 por João Augusto Rezende Henriques a Valmir Sandri no montante de R$ 250 mil e pago no ano de 2013. A pessoa de Valmir Sandri é investigada na Operação Zelotes por fraudes no Carf”, afirmam os procuradores da força-tarefa da Lava Jato.

Procuradoria pede preventiva para lobista do PMDB

Lobista do PMDB recebeu até R$ 20 milhões de empresas investigadas, diz Lava Jato

Segundo os investigadores, ao mesmo tempo que emprestou dinheiro a Valmir Sandri, João Henriques fez um empréstimo de Aldacir Ribeiro Lopes. A transação, afirma a Procuradoria da República, ‘desperta estranheza e suspeita de simulação de empréstimo para fins de lavagem de dinheiro’.

Em depoimento à Polícia Federal, o lobista do PMDB afirmou que Aldalcir Ribeiro Lopes emprestou cerca de R$ 800 mil a ele ‘por volta dos anos de 2011 ou 2012’. Manifestação dos procuradores cita a ‘conta da Paxos’. “O depósito de Aldalcir de R$ 200 mil na conta da Paxos se deve a um empréstimo feito a Paxos que foi declarado na Imposto de Renda; que imagina que o depósito de Aldalcir foi feito com dinheiro em espécie porque ele tem uma empresa de transportes chamada Transportes Especiais (Trans Especiais), que gera dinheiro em espécie; que o declarante pagou o empréstimo com dinheiro em espécie, que sacou da conta da Paxos por volta de 2011 e 2012.”

Os procuradores afirmam que foram identificados inúmeros empréstimos na declaração de Imposto de Renda de João Henriques. ‘É notório que na Operação Lava Jato a concessão de empréstimos simulados já foi utilizada pelo diretor Paulo Roberto Costa (ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás) como estratagema para dissimular o recebimento de capitais ilícitos, o que pode ter ocorrido no presente caso.”

COM A PALAVRA, O ADVOGADO PEDRO IVO CORDEIRO

Em relação ao post Lobista do PMDB fez empréstimo de R$ 250 mil a alvo da Zelotes, diz Lava Jato, tenho a afirmar o seguinte.

Trata-se de um enorme equívoco. Na verdade, foi Valmir Sandri quem emprestou a quantia de R$ 250.000,00 a João Augusto Rezende Henriques. Tanto o empréstimo, quanto seu pagamento foram realizados por meio de cheques depositados nas respectivas contas bancárias e a operação foi comunicada à Receita Federal. Inexiste, portanto, qualquer sinal de irregularidade.

Quanto à Operação Zelotes, cumpre informar que Valmir não foi denunciado, indiciado e sequer foi alvo de busca e apreensão no dia da deflagração da operação. Valmir está tranquilo e aguarda ser convocado, certo de que a investigação demonstrará, ao final, não possuir nenhuma relação com os fatos apurados.

Atenciosamente,

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoOperação Zelotes

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.