Lista fechada é estratégia para garantir foro privilegiado a políticos

Lista fechada é estratégia para garantir foro privilegiado a políticos

Antonio Tuccílio*

04 de abril de 2017 | 12h00

Antonio Tuccílio. Foto: Arquivo Pessoal

Antonio Tuccílio. Foto: Arquivo Pessoal

Frequentemente, nos deparamos com propostas absurdas de deputados federais e senadores. Já houve a tentativa de anistiar o caixa 2. Já houve a tentativa de implantar projeto que pune abuso de autoridade (que, na verdade, se trata de retaliação do Congresso Nacional em razão de investigações que envolvem políticos, como a Operação Lava Jato). Agora, nos deparamos com a uma nova proposta: a de voto em lista fechada.

É muito provável que a maioria das pessoas comuns não saiba o que é isso exatamente. Pois bem, voto em lista fechada é um sistema pelo qual os eleitores votam em uma lista pré-ordenada pelos partidos, e não pelos candidatos. Isso quer dizer que nós, eleitores, não temos a oportunidade de votar nos candidatos que mais confiamos.

Talvez isso funcione em países onde as instituições são mais sólidas e respeitadas. Talvez seja prático em democracias nas quais os índices de corrupção são muito baixos. O Brasil, infelizmente, não atende esses requisitos.

A Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP), entidade que eu presido e representa mais de 700 mil servidores em todo país, é frontalmente contra a votação por lista fechada. Motivos para isso não faltam.

Os políticos não dizem, mas o fato é que essa proposta serve apenas para reeleger e garantir a prerrogativa de foro privilegiado a parlamentares investigados pela força-tarefa da Lava-Jato. Quem acompanha o noticiário político sabe quem são essas figuras. Tenham a certeza de que elas estarão nas listas fechadas dos partidos. O povo, obrigado a votar nesse sistema, acabará elegendo políticos corruptos.

Além disso, não faz sentido voto em lista fechada em um momento em que todos os partidos estão desacreditados. Com exceção das militâncias, raras são as pessoas que acreditam piamente nas legendas. A população costuma votar no indivíduo. Se for um voto consciente, votará naquele que tem os melhores projetos, o melhor background, ficha limpa etc. Com a lista fechada, isso não será possível.

A impressão que fica é que o Congresso Nacional trabalha apenas em prol de seus próprios interesses. Voto em lista fechada é um exemplo disso. Ótimo pra eles, péssimo pra nós, o povo.

*Antonio Tuccílio é presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP)

Tudo o que sabemos sobre:

ArtigoArena Jurídica

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.