Lindôra diz que esquema de fraudes na compra de respiradores tem ‘comando e orientação’ do governador do Amazonas

Lindôra diz que esquema de fraudes na compra de respiradores tem ‘comando e orientação’ do governador do Amazonas

Ao requerer ao Superior Tribunal de Justiça a prisão de oito pessoas e buscas na casa de Wilson Lima (PSC) na Operação Sangria, deflagrada nesta terça-feira, 30, subprocuradora-geral da República crava que chefe do Executivo tem 'participação direta' em atos ilícitos

Rayssa Motta e Fausto Macedo

30 de junho de 2020 | 09h55

O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC). Foto: Diego Peres / Secom-AM / Reprodução

A subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo foi quem encaminhou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) os pedidos de prisão e busca e apreensão que estão sendo cumpridos nesta terça, 30, como parte de uma investigação sobre supostos desvios de recursos públicos destinados ao enfrentamento da pandemia de covid-19 no Amazonas. Ela sustenta que os crimes foram cometidos ‘com a participação direta do governador’ Wilson Lima (PSC).

De acordo com a subprocuradora, as investigações permitiram, até o momento, ‘evidenciar que se está diante da atuação de uma verdadeira organização criminosa que, instalada nas estruturas estatais do governo do estado do Amazonas, serve-se da situação de calamidade provocada pela pandemia de covid-19 para obter ganhos financeiros ilícitos, em prejuízo do erário e do atendimento adequado à saúde da população’.

O Ministério Público Federal informou que foram identificadas compras superfaturadas de respiradores, direcionamento na contratação de empresa, lavagem de dinheiro e montagem de processos para encobrir os crimes praticados.

Os agentes vasculham a casa do governador, a sede do governo e a Secretaria de Saúde do Estado. Além disso, prenderam a Secretária de Saúde, Simone Papaiz. A biomédica assumiu o cargo em abril após pedido de demissão do antecessor Rodrigo Tobias, que deixou a pasta no auge da pandemia no Amazonas.

O estado, que viveu fase crítica no enfrentamento da doença,  já soma mais de 69 mil casos confirmados e 2.782 óbitos, segundo a última atualização do boletim divulgado pelo governo. A capital, Manaus, ganhou repercussão mundial depois que centenas de corpos foram empilhados em valas.

“Os fatos ilícitos investigados têm sido praticados sob o comando e orientação do governador do estado do Amazonas, Wilson Lima, o qual detém o domínio completo e final não apenas dos atos relativos à aquisição de respiradores para enfrentamento da pandemia, mas também de todas as demais ações governamentais relacionadas à questão, no bojo das quais atos ilícitos têm sido praticados”, destacou Lindôra no pedido de medidas cautelares.

COM A PALAVRA, O GOVERNO DO AMAZONAS

“O Governo do Amazonas informa que aguarda o desenrolar e informações mais detalhadas da operação que a Polícia Federal realiza em Manaus para, posteriormente, se pronunciar sobre a ação. Informa, ainda, que o governador Wilson Lima, que estava em Brasília para cumprir agenda de trabalho, está retornando para Manaus.”

Tudo o que sabemos sobre:

Amazonas [estado]coronavírus

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: