Liberdade de Geddel colocaria em risco a ordem pública, diz Raquel

Liberdade de Geddel colocaria em risco a ordem pública, diz Raquel

Procuradora-geral afirma que bunker dos R$ 51 mi com as digitais do ex-ministro é um dos motivos para mantê-lo na cadeia

Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA

22 de agosto de 2018 | 21h09

Bunker dos R$ 51 milhões Foto: PF

BRASÍLIA – Em manifestação encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, alegou que a ordem pública seria colocada em risco caso seja posto em liberdade o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA), réu em ação penal pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa no caso do bunker de R$ 51 milhões encontrado em um apartamento em Salvador.

“A liberdade de Geddel Quadros Vieira, a um só tempo, colocaria em grave risco, ainda hoje, a ordem pública e vulneraria a garantia da aplicação da lei penal, notadamente quando a instrução judicial (fase de coleta de provas) da ação penal nem sequer foi efetivamente iniciada”, escreveu Raquel Dodge.

Para a procuradora-geral da República, há uma série de argumentos que justificam a prisão de Geddel, como a ocultação dos R$ 51 milhões no apartamento em Salvador; o uso de secretários parlamentares para serviços pessoais e apropriação do salário deles; e a destruição de papéis e documentos que poderiam servir de prova na investigação em curso.

Raquel Dodge ainda destacou que a prisão preventiva de Geddel Vieira Lima foi reafirmada pelos ministros da Segunda Turma do STF em maio deste ano, quando a denúncia contra o ex-ministro foi recebida. (Rafael Moraes Moura)

Tudo o que sabemos sobre:

Geddel Vieira LimaRaquel Dodge

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.