Lewandowski nega pedido da OAB para acessar mensagens hackeadas da Lava Jato

Lewandowski nega pedido da OAB para acessar mensagens hackeadas da Lava Jato

Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil apresentou requerimento após autorização de acesso ao material da Operação Spoofing obtida pela defesa do ex-presidente Lula

Rayssa Motta

17 de fevereiro de 2021 | 15h18

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou conceder ao Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) acesso às mensagens obtidas na Operação Spoofing. A ação mirou um grupo de hackers que invadiu celulares de autoridades, incluindo procuradores da força-tarefa da Lava Jato e o ex-ministro Sérgio Moro.

Depois que o ministro determinou o compartilhamento do material com a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a entidade entrou com um pedido na tentativa de conseguir a extensão do benefício. O argumento foi o de que o acesso às conversas permitiria apurar possíveis violações de prerrogativas de advogados.

No entanto, na avaliação de Lewandowski, não é possível atender ao requerimento. “Até mesmo o acesso deferido ao reclamante [Lula] ficou circunscrito aos dados que lhe digam respeito, direta ou indiretamente, ou possam, de alguma forma, ser úteis à sua defesa”, explicou em despacho na última segunda-feira, 15.

ricardo-lewandowski-stf

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal. Foto: Gabriela Biló / Estadão

No mesmo dia, o ministro também negou um pedido idêntico feito pelo deputado federal Rui Costa (PT-SP). O parlamentar queria acesso ao material para que a Câmara dos Deputados pudesse ‘fiscalizar a conduta dos integrantes da Lava Jato’.

Antes disso, Lewandowski já havia rejeitado solicitações semelhantes apresentadas pelas defesas do ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, João Vaccari Neto, e do ex-governador do Rio, Sérgio Cabral.

A decisão do ministro que ordenou o compartilhamento das conversas com Lula foi confirmada pela Segunda Turma do STF na semana passada.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.