Lewandowski decide que governadores e prefeitos podem continuar vacinação de adolescentes sem aval do Ministério da Saúde

Lewandowski decide que governadores e prefeitos podem continuar vacinação de adolescentes sem aval do Ministério da Saúde

Liminar será submetida ao plenário do STF; governo federal recomendou suspensão da imunização na faixa etária de 12 a 17 anos para pessoas sem comorbidades, mas ministro disse que decisão foi ‘intempestiva e, aparentemente, equivocada’

Rayssa Motta

21 de setembro de 2021 | 19h00

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta terça-feira, 21, que Estados e municípios têm autonomia para continuar a campanha de vacinação de adolescentes contra a covid-19. A liminar reforça o entendimento que vem sendo usado pelo tribunal desde o início da pandemia sobre a competência concorrente de governadores e prefeitos para traçar medidas de enfrentamento à pandemia.

Documento

A decisão foi tomada em uma ação movida por cinco partidos de oposição – PSB, PCdoB, PSOL, PT e Cidadania. As siglas acionaram o STF contra a nota do Ministério da Saúde que recomendou a suspensão da imunização na faixa etária de 12 a 17 anos para pessoas sem comorbidades.

Ao dar a liminar, o ministro determinou que ela seja submetida ao crivo dos colegas em julgamento no plenário virtual previsto para começar no dia 1º de outubro. Os ministros vão votar se mantém ou não a decisão individual.

Campanha de vacinação contra a covid-19 Foto: Marcelo Chello/Estadão

Em sua decisão, Lewandowski disse que a mudança de orientação do Ministério da Saúde foi ‘repentina’ e não encontra amparo em evidências acadêmicas ou critérios científicos e técnicos. Na contramão do governo federal, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) manteve a indicação para vacinação dos adolescentes.

“Qualquer que seja a decisão concernente à inclusão ou exclusão de adolescentes no rol de pessoas a serem vacinadas, ela deverá levar em consideração, por expresso mandamento legal, as evidências científicas e análises estratégicas em saúde”, escreveu o ministro.

Ao emitir a recomendação na semana passada, o Ministério da Saúde disse que ‘os benefícios da vacinação em adolescentes sem comorbidades ainda não estão claramente definidos’.

Lewandowski, por sua vez, afirmou que a decisão foi ‘intempestiva e, aparentemente, equivocada’. Ele também considerou que a interrupção da campanha de imunização pode favorecer o avanço da pandemia, sobretudo no contexto de retomada das aulas presenciais.

O advogado Rafael Carneiro, que representa o PSB na ação, comemorou a decisão. “O Supremo privilegia, mais uma vez, o direito à vida e à saúde, e garante a atuação dos estados e municípios em meio às políticas desastrosas do governo federal no combate à pandemia”, disse ao blog.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.