‘Levem meu acervo pro palacião’, sugere Lula aos procuradores

‘Levem meu acervo pro palacião’, sugere Lula aos procuradores

Ex-presidente, acusado por corrupção e lavagem de dinheiro, afirma que não tem onde guardar bens que ganhou nos oito anos de mandato e recomenda a seus algozes que estoquem tudo na sede da Procuradoria-Geral em Brasília

Ricardo Galhardo

15 de setembro de 2016 | 14h42

item adaga

O ex-presidente Lula sugeriu nesta quinta-feira, 15, a seus algozes que armazenem na sede da Procuradoria-Geral da República em Brasília todo o seu acervo pessoal. Os bens que ele recebeu nos oito anos de seu mandato (2003/2010) são alvo de parte da investigação da força-tarefa da Operação Lava Jato.

adaga

Nesta quarta, 14, os procuradores da República da Lava Jato denunciaram Lula por corrupção e lavagem de dinheiro. Os procuradores sustentam que a empreiteira OAS pagou propinas a Lula inclusive ao bancar o armazenamento do acervo, ao preço de R$ 1,1 milhão.

Sede da PGR, em Brasília.

Sede da PGR, em Brasília.

Em março, quando caiu no grampo da Polícia Federal, Lula se referiu aos bens como ‘tralhas’.

Nesta quinta, ao contra-atacar a Lava Jato, Lula disse.

“Gente, se o Ministério Público quiser o meu acervo peguem por favor e levem pra aquele palacião (referindo-se à sede da Procuradoria-Geral da República, em Brasília), aquele prédio grande que eles têm que deve ter sala vazia, guardem o meu acervo lá por favor. Eu não tenho onde guardar.”

Ele disse, ainda. “Eu tenho convicção de que quem mentiu está numa enrascada. Eu tenho convicção que aqueles da imprensa que mentiram vão ter que ir construindo uma versão pra sair dessa encalacrada. Se não quiserem sair continuem me atacando, eu estarei aqui sem ficar com raiva.”

“Só tem um jeito da pessoa não ser perseguida nesse país, é a pessoa ser honesta. Ninguém está acima da lei, nem um ex-presidente, nem um procurador, nem delegado da Polícia Federal e nem alguém da Suprema Corte. Todos nós estamos subordinados à legislação. Estou falando como cidadão indignado, como pai de cinco filhos, como avô de sete netos e como acho que futuro bisavô, porque minha neta resolveu ficar grávida. Acho que só ganha de mim aqui no Brasil Jesus Cristo. Pensa em um cabra conhecido e marcado nesse país. Foi assim no Sindicato, foi assim no PT.”

O petista disse ainda. “Quem vai perder o sono é quem acha que eu vou perder o sono. Continuem escrevendo, continuem falando. A história mal começou. Alguns pensam que ela terminou. Eu ainda vou viver muito. Tô com 70 anos e com vontade de viver mais vinte.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.