Lendo o passado para lermos o futuro

Lendo o passado para lermos o futuro

José Barroso Filho*

07 de janeiro de 2022 | 14h20

José Barroso Filho. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Ressalta-se no dia 7 de janeiro, o Dia Nacional do Leitor.

Leitura é um processo crítico de compreensão do mundo por intermédio do que foi escrito ou pelas letras desafiado.

Em um texto sem contexto, as palavras não expressam nem impressionam.

Não é pois, um simples processo de decodificação ou mero acoplamento de letras, sílabas, palavras e frases.

Leitura é um ato intencional, uma postura ativa e reflexiva ante a uma realidade carente de significados.

Quantos sejam os leitores, tantas serão as leituras.

O leitor sabe que, por si, não se basta pois, o texto “embora seu” não lhe pertence.

O leitor nunca será apenas um leitor pois, logo que entra em cena, parteja a comunicação.

A compreensão da palavra escrita é fundamental para a expressão da palavra falada em meio a uma realidade sentida.

Sim, o leitor é um ser curioso, de si e dos outros.

É lendo histórias que se faz história para que outros contem.

A leitura nos faz históricos.

*José Barroso Filho é ministro do Superior Tribunal Militar e conselheiro do Conselho Nacional de Educação

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.