Leia a sentença que põe Protógenes na lista vermelha da Interpol

Leia a sentença que põe Protógenes na lista vermelha da Interpol

Ex-delegado da PF e ex-deputado (PC do B/SP) que comandou Operação Satiagraha faltou às audiências na Justiça Federal em São Paulo e nem justificou; agora é foragido internacional

Fausto Macedo e Julia Affonso

14 de maio de 2016 | 14h05

Protógenes Queiroz. Foto: Dida Sampaio/AE

Protógenes Queiroz. Foto: Dida Sampaio/AE

A juíza federal Andreia Sarney, da 1.ª Vara Criminal Federal de São Paulo, determinou a expedição de mandado de prisão contra o ex-delegado da PF Protógenes Queiroz e a inclusão de seu nome na difusão vermelha da Interpol – índex dos mais procurados em todo o mundo.

A decisão foi dada nesta sexta-feira, 13, diante da ausência de Protógenes em audiência marcada para sexta.

Documento

Protógenes, o delegado que em 2008 deflagrou a polêmica Operação Satiagraha que levou à prisão o banqueiro Daniel Dantas – mais tarde inocentado pelos tribunais superiores – , foi condenado em 2010 pelo juiz federal Ali Mazloum, da 7.ª Vara Criminal Federal de São Paulo a uma pena de três anos e quatro meses de reclusão pelos crimes de violação de sigilo funcional e fraude processual – delitos que ele nunca admitiu.

A pena foi substituída por restrições de direitos. Mas o ex-delegado não compareceu a nenhuma audiência – a primeira marcada para 20 de abriol, a outra para 13 de maio – em que seria advertido sobre as restrições e nem apresentou qualquer justificativa para a ausência reiterada.

Nesta sexta, 13, a juíza Andreia Sarney mandou substituir a pena alternativa aplicada a Protógenes pela pena privativa de liberdade, ou seja, o ex-delegado deverá ficar atrás das grades.

A íntegra da sentença foi publicada pelo repórter Marcos de Vasconcellos, da revista eletrônica Consultor Jurídico (Conjur).

Neste sábado, 14, o repórter Walace Lara, da TV Globo, conversou com Protógenes pelo celular. O ex-delegado disse que desde outubro de 2015 está morando na Suíça como ‘asilado político’. Ele afirmou que ‘nunca recebeu nenhuma intimação’ da Justiça Federal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.