Leia a manifestação do ministro Celso de Mello em reação a Lula no grampo

Leia a manifestação do ministro Celso de Mello em reação a Lula no grampo

Ministro decano do Supremo Tribunal Federal disse que 'conhecida figura política ofendeu gravemente a dignidade institucional do Poder Judiciário'

Fausto Macedo e Julia Affonso

18 de março de 2016 | 05h00

Ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal. Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

Ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal. Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello, decano da Corte, atribuiu ao ex-presidente Lula manifestação ‘típica de mentes autocráticas e arrogantes que não conseguem esconder, até mesmo em razão do primarismo de seu gesto leviano e irresponsável, o temor pela prevalência do império da lei’.

Em pronunciamento na sessão plenária do Supremo nesta quinta-feira, 17, Celso de Mello fez referência direta ao grampo da Operação Aletheia que pegou Lula em diálogo com a presidente Dilma no dia 4 de março, poucas horas depois de ter sido levado à força pela Polícia Federal para depor.

A interceptação telefônica, tornada pública nesta quarta, 16, flagrou o petista atacando as principais instâncias do Judiciário.”Temos uma Suprema Corte totalmente acovardada, temos um Superior Tribunal de Justiça totalmente acovardado, um presidente da Câmara fudido, um presidente do Senado fudido.”

[veja_tambem]

Na sessão plenária desta quinta, Celso de Mello não citou o nome de Lula, mas a ele se referiu como ‘conhecida figura política de nosso País’.

“Em diálogo telefônico com terceira pessoa, ofendeu, gravemente, a dignidade institucional do Poder Judiciário, imputando a este Tribunal a grosseira e injusta qualificação de ser ‘uma Suprema Corte totalmente acovardada’!”

Em recado direto para todos os alvos da Operação Lava Jato, o ministro foi categórico. “Ninguém, absolutamente ninguém, está acima da autoridade das leis e da Constituição de nosso País, a significar que condutas criminosas perpetradas à sombra do Poder jamais serão toleradas, e os agentes que as houverem praticado, posicionados, ou não, nas culminâncias da hierarquia governamental, serão punidos por seu Juiz natural na exata medida e na justa extensão de sua responsabilidade criminal!”

Celso de Mello dirigiu-se ao presidente da Corte, ministro Ricardo Lewandowski. “A República, senhor presidente, além de não admitir privilégios, repudia a outorga de favores especiais e rejeita a concessão de tratamentos diferenciados aos detentores do poder ou a quem quer que seja. Por isso, senhor presidente, cumpre não desconhecer que o dogma da isonomia, que constitui uma das mais expressivas virtudes republicanas, a todos iguala, governantes e governados, sem qualquer distinção.”

O decano classificou a frase de Lula como um ‘insulto ao Poder Judiciário’. Para Celso de Mello, a frase ‘Suprema Corte totalmente acovardada’ é ‘absolutamente inaceitável e passível da mais veemente repulsa por parte desta Corte Suprema’.

“Traduz, no presente contexto da profunda crise moral que envolve os altos escalões da República, reação torpe e indigna, típica de mentes autocráticas e arrogantes que não conseguem esconder, até mesmo em razão do primarismo de seu gesto leviano e irresponsável, o temor pela prevalência do império da lei e o receio pela atuação firme, justa, impessoal e isenta de Juízes livres e independentes, que tanto honram a Magistratura brasileira e que não hesitarão, observados os grandes princípios consagrados pelo regime democrático e respeitada a garantia constitucional do devido processo legal, em fazer recair sobre aqueles considerados culpados, em regular processo judicial, todo o peso e toda a autoridade das leis criminais de nosso País!”

LEIA A ÍNTEGRA DO PRONUNCIAMENTO DO MININSTRO CELSO DE MELLO

“Os meios de comunicação revelaram, ontem, que conhecida figura política de nosso País, em diálogo telefônico com terceira pessoa, ofendeu, gravemente, a dignidade institucional do Poder Judiciário, imputando a este Tribunal a grosseira e injusta qualificação de ser “uma Suprema Corte totalmente acovardada”! Esse insulto ao Poder Judiciário, além de absolutamente inaceitável e passível da mais veemente repulsa por parte desta Corte Suprema, traduz, no presente contexto da profunda crise moral que envolve os altos escalões da República, reação torpe e indigna, típica de mentes autocráticas e arrogantes que não conseguem esconder, até mesmo em razão do primarismo de seu gesto leviano e irresponsável, o temor pela prevalência do império da lei e o receio pela atuação firme, justa, impessoal e isenta de Juízes livres e independentes, que tanto honram a Magistratura brasileira e que não hesitarão, observados os grandes princípios consagrados pelo regime democrático e respeitada a garantia constitucional do devido processo legal, em fazer recair sobre aqueles considerados culpados, em regular processo judicial, todo o peso e toda a autoridade das leis criminais de nosso País! A República, Senhor Presidente, além de não admitir privilégios, repudia a outorga de favores especiais e rejeita a concessão de tratamentos diferenciados aos detentores do poder ou a quem quer que seja. Por isso, Senhor Presidente, cumpre não desconhecer que o dogma da isonomia, que constitui uma das mais expressivas virtudes republicanas, a todos iguala, governantes e governados, sem qualquer distinção, indicando que ninguém, absolutamente ninguém, está acima da autoridade das leis e da Constituição de nosso País, a significar que condutas criminosas perpetradas à sombra do Poder jamais serão toleradas, e os agentes que as houverem praticado, posicionados, ou não, nas culminâncias da hierarquia governamental, serão punidos por seu Juiz natural na exata medida e na justa extensão de sua responsabilidade criminal! Esse, Senhor Presidente e Senhores Ministros, o registro que desejava fazer.”

Tudo o que sabemos sobre:

Celso de MelloLulaSTF

Tendências: