Leia a decisão que manda prender o ‘rei dos fiscais’

José Rodrigo de Freitas, dono de patrimônio estimado em R$ 76 milhões, foi preso nesta quinta-feira, 21, por ordem da juíza Fabíola Oliveira e Silva, da 27.ª Vara Criminal de São Paulo

Bruno Ribeiro

21 Junho 2018 | 17h22

O ex-fiscal da Prefeitura de São Paulo José Rodrigo de Freitas, acusado de receber R$ 1,7 milhão em propinas para favorecer a Universidade Nove de Julho (Uninove), foi preso nesta quinta-feira, 21.

Documento

Documento

A juíza da 27.ª Vara Criminal de São Paulo, Fabíola Oliveira e Silva, que determinou a prisão do ex-agente público, afirmou que, em ‘liberdade, (o fiscal) encontra vasta possibilidade de eliminar provas da prática dos fatos ora imputados, tendo contato com testemunhas e outras pessoas envolvidas nos delitos perpetrados’.

Em outra decisão, o juiz Eduardo Giorgetti Peres, também da 27.ª Vara Criminal, pôs Freitas no banco dos réus ao lado do reitor da instituição de ensino, Eduardo Storópolo, e do pró-reitor administrativo adjunto, Marco Antonio Malva.

COM A PALAVRA, A DEFESA DO ‘REI DOS FISCAIS’
O advogado Marcio Sayeg, que defende José Rodrigo de Freitas, afirmou que a prisão é ‘desnecessária’, uma vez que seu cliente estava comparecendo a todas as convocações do Ministério Público. “Vou entrar com um pedido de reconsideração e também com um habeas corpus”, disse.

COM A PALAVRA O ADVOGADO IGOR TAMASAUSKAS
O criminalista Igor Tamasauskas, que defende o reitor e o pró-reitor da Uninove, disse que ‘a postura deles é colaborar para que os fatos sejam elucidados”. O advogado afirmou que ainda não foi notificado da íntegra da acusação, mas que sabia dos termos em linhas gerais. “Eles estão em uma postura responsável em relação aos fatos que aconteceram.”