Leia a decisão judicial que põe a Lava Jato no rastro da propina a ex-ministros do PT

Leia a decisão judicial que põe a Lava Jato no rastro da propina a ex-ministros do PT

Juiz Antonio Bonat, da 13.ª Vara Federal de Curitiba, autorizou nova etapa da operação, denominada Carbonara Quimica, que investiga o caminho de valores ilícitos supostamente pagos a Guido Mantega e a Antônio Palocci para aprovação das MPs 470/2009 e 472/2009, no Governo Lula

Pedro Prata, Pepita Ortega e Fausto Macedo

21 de agosto de 2019 | 13h16

Justiça Federal mandou prender, no âmbito da Operação Carbonara Quimica, fase 63 da Lava Jato, Maurício Ferro, ex-vice-presidente Jurídico da Odebrecht, o advogado Nilton Serson e Bernardo Gradin, ex-presidente da Braskem. Ferro foi preso nesta quarta, 21, pela Polícia Federal. Serson é procurado. Gradin foi alvo de buscas.

Documento

A nova etapa da Lava Jato foi deflagrada por ordem do juiz Luiz Antonio Bonat, da 13.ª Vara Criminal Federal de Curitiba.

Os investigadores miram propinas milionárias aos ex-ministros Antônio Palocci e Guido Mantega (Fazenda/Governos Lula e Dilma) em troca da edição de Medidas Provisórias (MPs).

As MPs 470/2009 e 472/2009, no governo Lula, instituiriam um novo refinanciamento de dívidas fiscais e permitiriam a utilização de prejuízos fiscais das empresas como forma de pagamento (Refis da Crise).

A Polícia Federal indicou que o nome da operação remete aos codinomes dos investigados na planiLha da Odebrecht – ‘Italiano’ e ‘Pós-Itália’. O primeiro se referia a Antonio Palocci e o segundo a Guido Mantega, ex-ministros dos governos Lula e Dilma.

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA FÁBIO TOFIC SIMANTOB, QUE DEFENDE MANTEGA

O advogado Fábio Tofic Simantob, que defende o ex-ministro Guido Mantega, foi taxativo. “Esta operação é muito importante para a defesa de Guido Mantega porque vai ajudar a provar que ele nunca recebeu um centavo da Odebrecht ou de quem quer que seja.”

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA GUSTAVO BADARÓ, QUE DEFENDE MAURÍCIO FERRO

O criminalista Gustavo Badaró, que defende o ex-vice-presidente jurídico da Odebrecht Maurício Ferro informou que ainda não teve acesso à decisão judicial que deflagrou a fase 63 da Operação Lava Jato. Badaró disse que, assim que tiver acesso à ordem judicial, poderá se manifestar. O espaço está aberto.

COM A PALAVRA, A BRASKEM

“A Braskem afirma que tem colaborado e fornecido informações às autoridades competentes como parte do acordo global assinado em dezembro de 2016, que engloba todos os temas relacionados à Operação Lava Jato. A empresa vem fortalecendo seu sistema de conformidade e reitera seu compromisso com a atuação ética, íntegra e transparente.”

COM A PALAVRA, A DEFESA DO ADVOGADO NILTON SERSON

A reportagem busca contato com a defesa de Nilton Serson. O espaço está aberto para manifestação.

Tudo o que sabemos sobre:

Polícia Federaloperação Lava Jato

Tendências: