Leia a decisão de Bretas que mandou prender procurador do Estado do Rio por propina no Metrô

Leia a decisão de Bretas que mandou prender procurador do Estado do Rio por propina no Metrô

Renan Saad foi preso temporariamente nesta segunda-feira, 1, no âmbito de investigação sobre suposta propina de R$ 1,2 milhão em obras da Linha 4 do Metrô carioca

Fausto Macedo e Luiz Vassallo

01 de julho de 2019 | 16h30

O juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio, afirmou que testemunhos e obtenção de provas ficariam ‘complicados’ caso o procurador do Estado Renan Saad ficasse em liberdade. Ele foi preso temporariamente nesta segunda-feira, 1, no âmbito de investigação sobre suposta propina de R$ 1,2 milhão em obras da Linha 4 do Metrô carioca.

Documento

Bretas destaca, em decisão, que o ‘Ministério Público entende necessária a oitiva de integrantes do escritório de Saad, ou seja, funcionários diretamente subordinados a ele; sendo, pois, provas complicadas de serem recolhidas com Renan em liberdade’.

“Nessa toada, a imprescindibilidade da medida para a investigação é evidente, assegurando, dentre outros efeitos, que todas as testemunhas sejam ouvidas pela autoridade policial sem possibilidade de prévio acerto de versões entre si ou sofram pressão por parte do investigado”, anotou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.